Segundo o pároco esta derrapagem temporal deveu-se a questões burocráticas e aos pareceres técnicos pelos quais foi necessário aguardar. O padre Joaquim Correia Ferreira lembra que chovia dentro da igreja e por via dessas infiltrações as madeiras do tecto estavam completamente apodrecidas, assim com os tacos do chão. Para além da substituição dessas madeiras constituintes da estrutura do telhado e do pavimento, as obras contemplaram igualmente a substituição das telhas do telhado, a picagem e reboco das paredes exteriores e interiores para solucionar infiltrações e salitres, a substituição de toda a instalação eléctrica, a aplicação de azulejos, a pintura exterior e interior e o revestimento do coro com madeira. Foram ainda adquiridos novos bancos para a igreja agora restaurada. Os trabalhos ascenderam a cerca de 200.000 euros, sendo 90.000 comparticipados pela Câmara de Lagos e os restantes 37.500 euros investidos pela paróquia, dos quais 30.000 disponibilizados a título de empréstimo à comunidade paroquial pela diocese do Algarve. A paróquia irá ainda receber cerca de 90.000 euros no âmbito do programa AGRIS, ao qual se candidatou para a obra em causa, sendo depois o montante de igual valor atribuído pela autarquia investido em obras de cariz social.