A partir dos quatro objectivos – “permitir a visão correcta da natureza e missão da Igreja e do entendimento de que a Igreja católica, una e única, existe nas e pelas Igreja locais ou particulares (dioceses), nas quais se visibiliza a Igreja universal”, “congregar a Igreja do Algarve num encontro de comunidades a responder ao apelo evangelizador de Maria – ‘Fazei o que Ele vos disser’ –, no presente contexto da realidade social e religiosa diocesana”, “fomentar o convívio e comunhão entre comunidades, paróquias e vigararias” e “partilhar caminhos percorridos na consecução do objectivo do presente ano pastoral – ‘(Re)conhecer, em Cristo, a nossa identidade e missão’ –, numa particular interpelação a nível das Vocações, da Família e da Caridade” –, percebe-se que a jornada terá duas fortes finalidades. Por um lado, pretende-se que ajude a perceber o enquadramento da missão da Igreja, e simultaneamente, que possa contribuir para fazer um balanço do desenvolvimento do primeiro ano do projecto de seis que a diocese do Algarve estabeleceu e que previa a análise local do conhecimento da sua realidade social e religiosa. Logo pela manhã, por volta das 9.30 horas, as diversas paróquias, agrupadas pela meia dúzia de vigararias, começarão a chegar a Loulé, concentrando-se nos lugares previstos: Lagos e Portimão junto ao terminal rodoviário, Albufeira e Loulé/São Brás no monumento a Duarte Pacheco e Faro e Tavira perto das Piscinas Municipais. Iniciar-se-á depois o cortejo de entrada no Parque Municipal pelas três entradas daquele recinto, seguido de uma breve oração presidida pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, já no palco onde estará colocada a faixa com o tema/objectivo do presente ano pastoral: (Re)conhecer, em Cristo, a nossa identidade e missão. Ali, naquele espaço, desenrolar-se-ão os restantes momentos da manhã. O que se irá seguir prende-se precisamente com a partilha, a partir da frase encimada sobre o palco, que durante este ano se propôs orientar o trabalho promovido pelo conjunto das comunidades paroquiais que compõem a diocese algarvia. Subirão ao palco representantes dos Secretariados Diocesanos da Pastoral Sócio-Caritativa, da Família, das Vocações, da Juventude, cada grupo transportando uma das quatro partes que constroem um rosto de Cristo e que fixarão no centro do placard de fundo. Por último, caberá a um grupo de cada vigararia trazer uma cartolina da sua cor para colocar junto do rosto de Cristo com a “identificação do apelo evangelizador mais relevante”, como resultado da partilha do grupo de paróquias que a constitui. Seguidamente será exibido um momento de mensagem ou a reposição de alguma significativa expressão, acontecida durante o ano pastoral na sua área vicarial. O momento mais significativo da manhã será concluído então com a intervenção do Pastor da diocese. D. Manuel Neto Quintas deverá nesta altura fazer uma síntese do mais importante que foi reflectido durante a primeira parte do dia e simultaneamente salientar alguns aspectos que farão parte dos motivos de esperança que deverão nortear a diocese rumo ao futuro. A actuação do grupo ‘Laudate’ ajudará ao convívio e a fazer a festa, intercalando as suas músicas com uma intervenção do Sector Diocesano da Pastoral Juvenil dirigida aos jovens presentes. Por volta do meio-dia e meia hora, dar-se-á início ao almoço partilhado ali mesmo, pelos muitos relvados e espaços verdes que o Parque Municipal de Loulé comporta por entre o seu arvoredo e vegetação. Durante este tempo está ainda prevista a actuação de grupos de animação, entre os quais o grupo ‘Laudate’. Às 15 horas, depois da concentração junto do monumento a Duarte Pacheco, inicia-se a peregrinação até ao Santuário de Nossa Senhora da Piedade, vulgarmente conhecida como a Mãe Soberana. A caminhada será composta por intervenções das diversas vigararias, bem como do Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar. Em breves paragens contemplar-se-á os dons do Espírito Santo, atribuídos a cada vigararia e àquele serviço diocesano de pastoral, sendo feita sobre eles uma breve evocação. A encerrar esta Jornada da Igreja Diocesana será celebrada a Eucaristia sob a presidência do Bispo diocesano, pelas 17 horas, que constituirá igualmente o ponto alto do dia. Certamente pequena para acolher todos os participantes, a igreja do Santuário da Mãe Soberana abrirá as suas portas para que os que ficarem do lado de fora possam igualmente vivenciar a celebração eucarística da melhor maneira. Sobre o sentido da celebração deste Dia da Igreja Diocesana recairá a responsabilidade de perceber até que ponto foram para ela, conforme pedido, dinamizadas e convocadas todas as paróquias, e todos os seus membros, agentes pastorais, grupos e movimentos, particularmente os elementos mais jovens, fazendo-se acompanhar cada comunidade paroquial de dísticos, estandartes, cartazes, cachecóis ou lenços da cor identificadora da respectiva vigararia. Da mesma forma poder-se-á avaliar da efectiva contribuição das paróquias, através das intervenções das vigararias, para a consecução do objectivo do presente ano pastoral proposto pela diocese do Algarve. Sobre este dia incide ainda a curiosidade de ser a primeira jornada vivida, a nível diocesano, por D. Manuel Quintas como Bispo do Algarve. A última vez que a diocese algarvia celebrou o Dia da Igreja Diocesana com a jornada prevista no ritmo trienal, foi precisamente no ano em que D. Manuel Madureira Dias passaria a Bispo Emérito, era D. Manuel Quintas ainda Bispo Eleito do Algarve. Aconteceu então no recinto da Fatacil, em Lagoa, em 2004.