No caso da matriz de Portimão, o pároco, cónego José Pedro Martins calcula que tenham sido levados cerca de 300 euros em dinheiro. O sacerdote explica que os meliantes forçaram uma das portas laterais, arrancando uma das almofadas de madeira junto ao chão por onde conseguiram entrar. No interior utilizaram velas com receio de que acendendo outra iluminação pudessem ser surpreendidos. Ao que se apurou também foram assaltados alguns estabelecimentos comerciais, pelo que as autoridades pensam poder tratar-se de um grupo organizado.