Depois de terem deixado as mochilas no Pavilhão Multiusos da Câmara de Albufeira, onde iriam pernoitar, deslocaram-se até àquele santuário mariano, junto à Marina, para, depois do jantar, assistirem ao início da performance, intitulada "Chamados no Mar". Após a apresentação do hino composto este ano para a JDJ, sob o mesmo tema da apresentação nocturna, ouviu-se uma voz pronunciar uma pequena introdução marcada pela palavra-chave – Amor – que iniciou a vigília de oração ao som do tema ‘Final’, de Rodrigo Leão. Acompanhada por projecções numa estrutura montada para o efeito no cimo da escadaria, a performance desenvolveu-se com um primeiro momento sobre ‘A Criação’, seguida de um segundo tempo sobre ‘A Encarnação’. Poemas, proclamações, bailados, cânticos, músicas, projecções e encenações levaram os participantes a reviver o quadro natalício do nascimento de Cristo. No terceiro momento reflectiu-se sobre ‘O Mistério Pascal’, através da encenação da Paixão de Cristo, com as projecções a ajudarem à meditação sobre o pecado e a morte, tendo a primeira parte da noite terminado com os participantes da JDJ a beijar a Cruz com Jesus crucificado a que prestaram adoração. Depois de uma caminhada para a Praia do Peneco, os participantes presenciaram, junto ao mar, a cena do chamamento dos apóstolos inserida num quarto momento que se intitulou ‘Ressurreição’. O cenário construído com a barca, as redes e uma fogueira com peixe, cativaram os participantes para o envio dos apóstolos feito por Jesus, e motivaram-nos para escreverem numa concha os seus maiores medos. Uma vez mais enriquecido com cânticos, poemas, músicas e encenações, o quinto momento desenvolveu-se num outro espaço da praia sob o tema ‘Pentecostes’. A representação da cena do Cenáculo encheu o espaço e os jovens foram convidados a promover a uni-dade e a comunhão, construindo uma manta com lenços de várias cores que ataram uns aos outros. Já na igreja matriz de Albufeira, tendo no percurso desde a praia sido motivo de interpelação para muitos traseuntes e de alguns moradores que procuravam perceber o que se passava, viveram o sexto momento da noite, intitulado ‘Ousar a Verdade’. O bailado sobre os dons do Espírito introduziu à projecção com a narração da vida de dois santos: Gonçalo de Lagos e de Vicente de Albufeira. O testemunho encenado dos dois santos algarvios interpelou os jovens a seguir o seu exemplo, vivendo uma vida de seguimento a Jesus Cristo e doação a Deus. Já de regresso ao local da dormida, os participantes da JDJ viveram o último momento da noite, intitulado ‘Missão’. "Chamados a manifestar o amor de Deus na Igreja", os jovens foram convidados a comprometer-se através de algumas dinâmicas, como a partilha de folares em grupo, a distribuição de ramos de oliveira, a passagem da mão molhada pelo rosto, a organização de tijolos e a inscrição de uma mensagem/oração numa folha para queimar. No domingo de manhã, o dia amanheceu cinzento e triste e a chuva não parava de cair, o que levou o Sector Diocesano da Pastoral Juvenil (SDPJ) a alterar organização da segunda etapa da JDJ. Na igreja matriz, o Bispo do Algarve presidiu à celebração da Eucaristia. D. Manuel Quintas interpelou os jovens com base na mensagem do Papa para a ocasião, começando por manifestar a sua alegria em estar presente naquela celebração e constatar a participação na JDJ de muitos jovens pela primeira vez. O Bispo diocesano sublinhou que o Papa refere "três momentos na descoberta do amor". "O primeiro momento refere-se à fonte do amor verdadeiro, que é única – é Deus", referiu o Prelado, destacando "a Cruz revela plenamente o amor de Deus", a Cruz que é "sabedoria de Deus", como o segundo momento. O terceiro momento, prende-se, segundo D. Manuel Quintas com a "necessidade de amar o outro como Deus nos amou". De seguida, o presidente da celebração destacou os três âmbitos da vida quotidiana onde os jovens são "particularmente chamados a manifestar o amor de Deus". "O primeiro é a Igreja", o segundo é na "pre-paração e no discernimento da vocação pessoal" e por último "no contexto da vida quotidiana". Por fim, o Prelado lembrou o "desafio" do Papa deixado à juventude para "ousar o amor" e recordou o "segredo" deixado por Bento XVI na sua mensagem de que "a Eucaristia é a grande escola do amor". D. Manuel Quintas a terminar exortou ainda os jovens a não terem medo de seguirem o caminho da vocação consagrada. Após a Eucaristia, já com o Sol a espreitar por entre as nuvens os jovens regressaram ao Pavilhão Municipal tendo partilhado em grupos algumas vivências, experiências e anseios. Ao almoço seguiu-se a realização de diversos ateliers sobre Música, Dança, Teatro, Oração e Pastoral Sócio-caritativa. Para encerrar decorreu, ainda no pavilhão, uma Festa que contemplou, sob diversas formas artísticas, a apresentação dos trabalhos de reflexão realizados nas paróquias sobre a mensagem do Papa. Dança, pintura, encenação e canto, foram algumas das áreas privilegiadas nas apresentações dos jovens, intercaladas com a actuação do grupo ‘Laudate’ que promoveu a alegria e a boa disposição entre os presentes através da interpretação de temas de evangelização como ‘Presença invisível’, ‘Semente de Amor’ ou ‘Paz’. No próximo ano, a JDJ realizar-se-á na vigararia de Faro, tendo a equipa do SDPJ voltado a receber a Cruz das jornadas entregue pelos jovens da paróquia de Albufeira.