A Vigília de Oração que marcou o arranque da peregrinação da Cruz das Jornadas Diocesanas da Juventude (JDJ) pelas várias paróquias da vigararia de Faro, no âmbito da sensibilização da edição deste ano da JDJ – o encontro maior dos jovens católicos algarvios com o seu Bispo –, começou no exterior da igreja com a entronização da enorme Cruz de madeira a acontecer momentos depois. Intitulada “A Cruz: Esperança única”, a Vigília de Oração, marcada por vários momentos simbólicos, alguns encenados, foi presidida pelo pároco local que lembrou aos jovens o valor da humildade para explicar o sentido da “Cruz verdadeira”. O padre Manuel Rodrigues recordou que “Jesus humilhou-se ao ponto de morrer na Cruz”. “Tendes aqui a cruz. A cruz é a maior humilhação”, observou o sacerdote, considerando que apesar de “difícil de aceitar”, “a humildade não é uma atitude despersonalizante e despersonalizada”, mas “dinâmica e corajosa”. Constatando que a primeira reacção à Cruz é de rejeição, o padre Manuel Rodrigues garantiu que “quem vive na humildade percebe o que é amar e quem ama inevitavelmente é encantado com a Cruz”. “Uma cruz libertadora, gloriosa, transformadora, que dá sentido à vida porque ela leva à vida e não à morte”, complementou. “Se não carregarmos a cruz do amor, vamos carregar outra cruz que nos vai reservar sofrimento, desilusões, e que não dá sentido à vida. É a cruz do mundo, destruidora e que não leva a lado nenhum”, elucidou, acrescentando que é preciso “ver a cruz luminosa na vida dos cristãos, em especial na vida dos mais jovens”. “Essa cruz gloriosa que brilha e resplandece e que ilumina e faz o homem ser capaz de enfrentar os obstáculos mais grandiosos que possam surgir na sua vida. É a cruz vitoriosa”, afirmou. A terminar exortou os jovens a olhar para a Cruz verdadeira de que a de madeira é símbolo. “Não é a cruz de madeira que mais importa que contemplemos, mas sim a Cruz que ela significa e simboliza, a da entrega pelo amor, que dá a vida e que leva o homem à salvação: a Cruz do amor. Cristo entregou-se por amor. Vamos contemplar e adorar essa Cruz”, apelou. “Há muita gente da vossa idade que carrega outras cruzes e que anda desanimada, desiludida e sem rumo. Cristo mostra-nos o Norte e faz-nos ver que o caminho que a verdadeira Cruz nos dá é de vitória e de glória. Não tenhamos medo de carregar essa Cruz porque ela não é pesada, mas leve e suave”, concluiu. A Cruz das JDJ irá agora passar durante uma semana por cada uma das paróquias, aproveitando cada comunidade paroquial essa presença da maneira que achar mais conveniente, na medida das suas possibilidades e criatividade. Cada semana terminará sempre com uma vigília de oração, na qual será entregue a Cruz aos jovens representantes da paróquia que se segue na cadeia. A Cruz das JDJ continuará até ao dia 18 de Janeiro na paróquia de São Pedro, passando de 18 a 25 de Janeiro para a paróquia de São Luís de Faro. De 25 de Janeiro a 1 de Fevereiro será a vez de Olhão receber a Cruz; seguindo-se a Fuseta, de 1 a 8 de Fevereiro; Moncarapacho, de 8 a 15 de Fevereiro; Quelfes, de 15 a 22 de Fevereiro; Conceição de Faro, de 22 a 29 de Fevereiro; Montenegro de 29 de Fevereiro a 7 de Março; e a Sé de Faro de 7 a 14 de Março.