A festa de São Cristóvão celebra-se no dia 24 de Julho. Mas vamos à lenda: Cristóvão era dotado de enorme estatura e exercia a profissão das armas ao serviço do rei do seu país. Mas, certo dia, ocorreu-lhe a ideia de que deveria dedicar-se somente ao serviço do mais poderoso rei do universo. Com determinação, lança-se ao cami-nho em busca desse soberano. Depois de algum tempo chegou a um reino que lhe pareceu ser o mais poderoso de todos. Porém, durante um dos espectáculos da corte observou que o rei se benzia todas as vezes que um dos lobos da corte, na sua actuação de Satanás. Admirado Cristóvão pergunta ao rei por que motivo fazia o sinal da cruz todas as vezes que o artista pronunciava o nome de Satanás. O rei explicou-lhe que se benzia para impedir que o demónio se apoderasse dele para o perder. Foi tão grande a desilusão de Cristóvão que disse ao rei: se benzesse Satanás é porque ele é mais poderoso do que tu! E partiu à procura desse tal Satanás para se colocar ao seu serviço. Ao caminhar apareceu-lhe o demónio à frente de um grande exército dizendo que era ele quem Cristóvão procurava. Logo ali se incorporou no séquito. Mas assim que chegaram a uma encruzilhada onde havia uma cruz, o diabo e todo o seu exército fugiram espavoridos. Cristóvão foi-lhes no encalço e quis saber a razão daquele súbito pavor. Respondeu-lhe o demónio dizendo que um homem chamado Jesus Cristo, na Cruz o havia derrotado. Então há outro mais poderoso do que tu? É esse mesmo que eu vou procurar para o servir. E lá vai Cristóvão a percorrer o mundo à procura de Cristo. Um dia encontrou-se com um eremita, perto das margens do rio Eufrates que vendo a estatura possante de Cristóvão lhe propôs que ajudasse os viajantes a atravessar o rio. Cristóvão aceitou e durante muitos anos conduziu às costas um número incontornável de pessoas que desejavam atravessar aquele caudaloso rio. Certa noite, quando dormia na sua cabana ouviu por três vezes a voz débil de uma criança que o chamava. Era, de facto, um menino de 4 ou 5 anos que lhe pediu para transportar para a outra margem. Cristóvão pegou nele, mas coisa espantosa, à medida que avançava o peso tornava-se cada vez maior e quase se afundava. Ofegante lá chegou à outra margem e voltando-se para o menino desabafou: "não calculas o perigo que corri ao transportar-te, parecia até que carregava o mundo todo às minhas costas". Então aquela criança respondeu-lhe: "Olha, Cristóvão, não só transportavas o mundo mas também aquele que o criou. Eu sou Jesus Cristo a quem tu já serves, fazendo o que fazes". E diz a lenda que o próprio Jesus Cristo o baptizou e depois Cristóvão saiu a pregar, convertendo inúmeros infiéis… Finalmente, depois de muitos suplícios morreu decapitado, recebendo deste modo a palma do martírio.