Apesar disso, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima assistiria no passado sábado a uma das mais representativas recepções desde que chegou ao Algarve, na medida em que as paróquias que a acolheram estiveram significativamente representadas pelos seus grupos culturais, desportivos e de acção social, juntamente com as autoridades civis. Devido à temperatura, muito próxima dos zero graus, a participação na celebração de acolhimento e na procissão que se seguiu tornou-se mais difícil, sendo muitos os que tiritavam de frio, como os membros do Agrupamento 290 do CNE – Corpo Nacional de Escutas, do núcleo de Loulé da Associação Guias de Portugal ou dos Bombeiros Municipais de Loulé, agasalhados por um uniforme que de pouco lhes servia. A estes juntaram-se os membros do Clube Motard Rodas do Relógio, do Moto Clube de Loulé, do Clube de Ciclismo de Loulé, do Clube de BTT de Loulé, do Clube Hípico de Loulé, do Louletano Futebol Clube, do Rancho Folclórico de São Sebastião, da Sociedade Recreativa de Vale Judeu, da Sociedade Recreativa do Parragil, da Sociedade Recreativa de Monte Seco, do Ténis Clube de Loulé, da Associação UNIR, da Associação Existir, da Sociedade Filarmónica Artistas de Minerva e da GNR. Com o largo de São Francisco repleto de pessoas, a imagem peregrina de Nossa Senhora chegou numa carrinha de caixa aberta da Junta de Freguesia de Quarteira, festivamente decorada, tendo sido colocada aos ombros de alguns dos homens do andor que anualmente carregam a Mãe Soberana colina acima até ao Santuário da Senhora da Piedade. Tendo presente precisamente este facto, o pároco das comunidades de São Clemente e São Sebastião de Loulé, começou por lembrar que na cidade louletana é grande a “devoção e admiração” em relação a Nossa Senhora venerada como Mãe Soberana, Senhora da Piedade. “Ajudai-nos a saber acolher a Palavra do vosso Filho Jesus para que a nossa vida e a dos nossos grupos sejam transformadas, de modo que juntos, possamos construir uma sociedade nova mais justa e mais fraterna, realizando assim o grande projecto de Deus para todos: que sejamos e vivamos como irmãos”, implorou ainda o prior, pedindo a bênção mariana para as crianças, jovens, famílias, doentes e idosos, escolas e actividades económicas. “Senhora de Fátima dá-nos a graça de aproveitarmos esta vossa visita para nos unirmos mais uns aos outros e colaborarmos melhor na renovação da nossa terra”, implorou o padre Henrique Varela. O presidente da Câmara de Loulé, Seruca Emídio, que fez questão de contextualizar a sua intervenção “na dupla condição de representante do povo do concelho de Loulé, mas também na qualidade de católico praticante”, classificou aquele como “um momento único”. Recuperando a memória da última visita da imagem de Nossa Senhora de Fátima, há mais de 50 anos, lembrou que, “a grande maioria dos presentes não terá oportunidade de presenciar outra visita da imagem de Nossa Senhora de Fátima”. Destacando o “exemplo, humildade, dedicação e espírito de sacrifício” de Maria, salientou a grande devoção de Loulé a Nossa Senhora e a importância dessa fé na construção de “um passado que a todos orgulha”. “Este é o momento exacto para fortalecermos esses elos de ligação, de humildade, de solidariedade, de entrega ao próximo e de dedicação. O futuro é apreensivo, mas se confiarmos e desenvolvermos e focalizarmos as nossas energias e inteligência ao serviço do próximo a nossa comunidade poderá intentar os próximos tempos com mais esperança e segurança”, augurou. Com o cortejo processional, participado também pelo padre espiritano Domingos Vitorino, a seguir até à igreja matriz com a participação de alguns milhares de pessoas que forçaram o corte da Praça da República ao trânsito, pelo caminho foram feitas três paragens com algumas interpelações à cidade e aos cristãos, sendo o andor carregado ainda pelos membros da GNR e dos Bombeiros Municipais. Na Eucaristia que se seguiu, após a chegada ao largo da matriz com a saudação aos grupos e colectividades, o padre António Manuel Martins, que presidiu à celebração, manifestou a vontade dos cristãos de Loulé de, com Maria, “escutar a palavra do Pai e seguir os caminhos do Filho”, acolhendo os outros como imagem que são de Deus [ver texto relacionado]. A imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima irá manter-se em Loulé até ao próximo dia 7 de Fevereiro, passando pelas várias comunidades constituintes das paróquias de Loulé, sendo acolhida em casas, armazéns e garagens particulares e comerciais, bem como no Centro Paroquial e Lar da Misericórdia. Destaque para o dia 6 de Fevereiro, com a procissão de velas até ao Santuário de Nossa Senhora da Piedade, sendo a imagem levada em ombros colina acima pelos homens do andor como acontece na procissão da Mãe Soberana. Mais fotos, brevemente na Galeria de Imagens