Em representação do Bispo do Algarve que presidiu à tomada de posse do padre Flávio Martins nas paróquias de Cachopo, Martinlongo e Vaqueiros, o vigário geral da diocese algarvia conferiu a posse ao padre Joaquim Correia Ferreira. Na homilia, após a leitura da provisão da nomeação, o padre Firmino Ferro lembrou que “o padre é um especial colaborador do Bispo a quem este assegura confiança e auxílio ao bom desempenho da sua missão, assim como à estabilidade indispensável ao bem dos fiéis”. Apesar disso, “o padre não está sozinho”, mas “faz parte de uma comunidade concreta”, lembrou o vigário geral, lançando um apelo aos paroquianos “para que dêem as mãos uns aos outros, conjuntamente com o sacerdote”. “Já existem na Igreja órgãos de comunhão, os chamados conselhos consultivos, cujas decisões o sacerdote pode tornar deliberativas, na medida em que ache que as deve seguir”, lembrou o padre Firmino Ferro, referindo-se concretamente aos Conselhos Económicos e Conselhos Pastorais paroquiais. “Faço a sugestão de que continuem esses conselhos se já existem e que possam melhorar para que possamos caminhar para o bem-estar de todos e para o conhecimento de Deus”, afirmou, apelando ainda a que “todos, de mãos dadas, mesmo com ideias diferentes” possam caminhar em comunhão para “construir a unidade”. Por outro lado, o padre Firmino Ferro, certamente tendo presente a diferença de idade entre o novo pároco e o anterior, lembrou os paroquianos de ambas as paróquias que “não é a diferença de idades que faz as pessoas”. “Muitas vezes catalogamos os «velhos» com determinadas características, no entanto podemos ter mais anos e sermos jovens de espírito, estando abertos ao mundo, à evolução e à mudança”, afirmou o sacerdote, considerando a mudança como sinal de evolução. “Não é fácil mudar. É difícil um sacerdote mudar, mas na medida em que estamos abertos à mudança, evoluímos pela positiva”, observou. O padre Firmino Ferro salientou ainda a ligação do novo pároco ao concelho tavirense, uma vez que foi professor durante 8 ou 9 anos em Tavira, mantendo-se depois, mesmo em Lagos, sempre ligado à juventude através dessa missão, e também por ter sido pároco de Santa Catarina da Fonte do Bispo. Seguiu-se, após a homilia, a profissão de fé, juramento de fidelidade à Igreja e de serviço à comunidade, a renovação das promessas do sacerdote e o acto de tomada de posse do novo prior. Na Luz de Tavira, uma representante do numeroso grupo de que se deslocou de autocarro de São Sebastião de Lagos (uma das anteriores paróquias do padre Correia Ferreira), interveio no final da celebração para agradecer os 30 anos de dedicação àquela comunidade. Visivelmente emocionado, o sacerdote agradeceu as palavras e garantiu estar disposto a trabalhar com a colaboração dos membros das novas comunidades. Em Santo Estêvão garantiu que “a vida sacramental vai continuar”. “Acho disparatado chegar e alterar tudo o que o anterior colega fazia. Vou observando e depois vamos trabalhando. Prefiro ser motor do que ser reboque”, afirmou, acrescentando que “a palavra felicidade «não rima» com facilidade, mas antes com fidelidade”. “Se queremos ser felizes temos de ser fiéis às promessas do nosso Baptismo”, disse. A terminar, o padre Firmino Ferro agradeceu ao novo pároco e ao anterior pelo trabalho na diocese e, aproveitando a presença do presidente da Câmara de Tavira, lembrou-se ser necessário “alguns avanços na sua paróquia para que seja viva e autêntica”. “Estou só a pedir a colaboração interactiva de todos os órgãos, incluindo os civis. Respeitamos o pelouro de cada um, mas contribuímos todos solidariamente para o bem comum e para a promoção da dignidade do ser humano”, concretizou o vigário geral. Em ambas as paróquias realizou-se um beberete partilhado após as tomadas de posse. Próxima posse de pároco nomeado No dia 21 de Setembro o  padre Dinis Faísca, toma posse como pároco de São Tiago e Santa Maria de Tavira, pelas 11 horas, na igreja de Santa Maria.