O Bispo diocesano explicou, a propósito, que “a vocação é dom de Deus, mas o surgir da resposta e da invocação deste dom diz respeito a todos”. “Era importante crescer, sempre mais, na nossa Igreja diocesana esta consciência e responsabilidade”, afirmou o Bispo do Algarve, explicando que “Deus chama, mas precisa de mediadores”, de “alguém que fale, estimule e encoraje”. “E mediadores somos todos”, concretizou, apelando a uma maior “intimidade com Cristo”, particularmente a vivida na Eucaristia. Na igreja de São Pedro em Faro, onde decorreu aquela iniciativa, D. Manuel Quintas lembrou que “todos, a partir do Baptismo, somos chamados a viver de maneira co-responsável a nossa inserção na Igreja como pedras vivas”. “Todos nós, a partir do Baptismo, e se vivemos com fé adulta a inserção nas nossas próprias comunidades, devemos sentir-nos co-responsáveis para que não faltem servidores para as mesmas comunidades; para que não falte, de maneira particular, o dom da Eucaristia”, disse, lembrando uma vez mais que “sem sacerdotes não há Eucaristia” e “sem Eucaristia, não há Igreja”. O Prelado observou ainda que, “quando uma comunidade cristã cresce verdadeiramente, sobretudo a partir da Eucaristia, encontra resposta e servidores dentro de si mesma para que possa crescer ainda mais, alimentando-se da Palavra, dos Sacramentos e, de maneira particular, da Eucaristia”. A propósito do Evangelho escutado, lembrou que “a multidão, da qual Jesus se compadece, é a multidão de todos os tempos e lugares que precisa urgentemente de pastores à semelhança do Bom Pastor que é Cristo e que dá a vida pelas suas ovelhas”. D. Manuel Quintas exortou a comunidade presente, vinda de diferentes partes do Algarve, que, tendo presente o Flávio Martins e o Pedro Manuel, una, uma vez mais, a sua voz na “oração comum ao Senhor da messe que mande servidores para a sua Igreja, particularmente sacerdotes, servidores da Eucaristia”. Para além da prece da comunidade, o Bispo do Algarve destacou ainda a importância do acolhimento dos jovens, “aqueles a quem tantas vezes o Senhor fala ao coração, à porta dos quais o Senhor bate”. “É preciso fazer silêncio para escutar a voz de Cristo e não é fácil nos dias de hoje”, lembrou D. Manuel Quintas, constatando que “é mais fácil escutar outras vozes”, referindo-se a “tantas solicitações nos dias de hoje que nos levam a fechar os ouvidos a esta voz que exige silêncio interior para a escutar”. O Bispo diocesano lembrou que “Deus dá o dom, mas quem o recebe pode recusá-lo por não o escutar, por não se aperceber da sua grandeza, beleza e necessidade”. D. Manuel Quintas frisou que “só é possível acolher este dom dentro deste ambiente eucarístico, de intimidade”. “Só a este nível de interioridade e de intimidade que se obtém, de maneira particular, pela Eucaristia, pela adoração eucarística, é que é possível reconhecer a voz de Cristo”, disse, acrescentando que, “se a palavra de Deus nos aquece o coração, é a Eucaristia que nos abre a luz, nos mobiliza e nos capacita para respondermos ao apelo que Ele nos faz”. Logo no início da sua homilia, o Bispo diocesano relacionou a motivação para a oração daquela noite com o Lausperene diocesano (oração eucarística) que percorreu toda a diocese nas duas semanas anteriores e que, de alguns anos a esta parte, vem mobilizando e sensibilizando todas as paróquias algarvias para a oração pela Pastoral das Vocações. D. Manuel Quintas lembrou também a propósito a celebração da Semana dos Seminários assinalada a nível nacional. O Bispo do Algarve lembrou igualmente a intenção de oração naquela noite “por todos aqueles que receberam também este dom de Deus, do ministério ordenado”, a começar por si mesmo, por todos os sacerdotes da diocese algarvia, todos os seus diáconos permanentes, todos os seminaristas e pré-seminaristas. Após a homilia, os (na altura ainda) seminaristas Flávio Martins e Pedro Manuel fizeram a sua profissão de fé diante de toda a comunidade presente, reafirmando a sua comunhão com as orientações da Igreja e o seu propósito firme de a servir. A vigília de oração, preparada em colaboração com o Sector Diocesano da Pastoral Juvenil, foi animada pelo grupo musical Cantando a Palavra da paróquia local. Mais fotos na ‘Galeria de Imagens’