Na recepção, presidida pelo pároco da paróquia vizinha de Mértola, na diocese de Beja, o padre Manuel Pato começou por explicar o sentido daquela visita. “Nossa Senhora veio-nos conceder um tempo de graça. Um tempo para nos dar a redescobrir a imagem do seu Filho Jesus Cristo. É Ele o nosso Salvador. É a Ele que Ela nos quer mostrar”, esclareceu o sacerdote, lembrando que “a palavra que aparece sempre é «Fazei tudo o que Ele vos disser»”, numa alusão ao lema da peregrinação algarvia da imagem de Nossa Senhora que tem servido igualmente de mote ao biénio pastoral que a Diocese do Algarve vive desde 2007. “Se estivermos atentos a Nossa Senhora escutamos certamente a voz do Espírito que nos fala de Jesus e de certo que o nosso coração fará o que Ele nos disser, sendo fiéis à Nossa Mãe do Céu e a Jesus, nosso Redentor que Ela nos quer fazer redescobrir”, acrescentou ainda o sacerdote antes da procissão que se seguiu até à igreja paroquial. Carregado primeiro pelas representantes da Associação de Jovens do Nordeste Algarvio – Inter-Vivos e depois pelos caçadores da freguesia e pelos membros do núcleo local da Cruz Vermelha, o andor com a imagem percorreu as principais ruas da aldeia, festivamente adornadas, onde o cheiro da hortelã espalhada pelo chão se fazia sentir. Já na igreja paroquial, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima foi coroada pelo padre Flávio Martins e deu-se início à Eucaristia presidida pelo sacerdote convidado para presidir à recepção da visita mariana, o padre Manuel Pato. O prior de Mértola, começou por dirigir-se na sua homilia às crianças presentes, lembrando a propósito a numerosa participação na Peregrinação Nacional das Crianças a Fátima que decorreu naquele dia. O sacerdote lembrou que a mensagem que Nossa Senhora vem trazer é a mensagem da paz e do amor, “sem a qual não podemos construir um mundo diferente” e “com a qual podemos construir uma sociedade muito mais justa e à imagem de Jesus”. No dia em que se celebrava igualmente o Dia de Portugal e, em que a Igreja festejava, o Dia do Anjo de Portugal, directamente relacionado com as aparições em Fátima, o padre Manuel Pato destacou que o culto aos santos anjos “é uma festa bastante antiga, mas cujo culto se torna muito mais evidente para todo o mundo a partir de Nossa Senhora de Fátima”. Perante uma assembleia de cerca de 300 pessoas que encheu por completo a igreja de Martim Longo, com destaque para a presença do presidente da Câmara de Alcoutim, Francisco Amaral, o sacerdote clarificou que Nossa Senhora vem revelar Jesus “mesmo àqueles que não crêem nem amam a Deus, mesmo àqueles que se dizem cristãos, mas cujo modo de vida vai contribuindo para uma sociedade desumana e pouco solidária”. “Nossa Senhora e o Anjo vêem mostrar-nos uma sociedade diferente”, complementou, exortando os habitantes de Martim Longo a “a cantar um «Glória a Deus nas Alturas»”. “Não é propriamente a oração, mas antes cantarmos com a nossa vida a alegria de termos presente Nossa Senhora e Jesus Cristo, vivendo alegres e testemunhando a alegria do Ressuscitado”, explicou o padre Manuel Pato, estimulando os cristãos a “anunciar e testemunhar Jesus que está vivo” nas relações que estabelecem. A imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima permanecerá em Martim Longo até ao próximo dia 20 de Junho. Mais fotos brevemente na Galeria de Imagens