Estando presentes cerca de uma centena de participantes, foi um momento de invocação da história de Albufeira, por vezes esquecida pelos seus habitantes. O presidente do Município, Desidério Silva, expressou a sua alegria ao ver "o nome de uma rua da cidade atribuído a um dos filhos mais ilustres da terra e que não poderia deixar de ser honrado". O pároco de Albufeira, cónego José Rosa Simão, felicitou os responsáveis por iniciativa tão esperada e sublinhou que "Albufeira ficaria empobrecida se esquecesse na sua toponímia esse grande albufeirense"; e que noutros tempos a homenagem a este mártir "marcou um momento alto da vida desta cidade". Evocou a história da vida deste homem que nasceu em Albufeira, estudou em Lisboa, tornou-se missionário e partiu para as terras do Sol nascente onde propagou a fé cristã e foi martirizado, em 1632, tendo sido queimado vivo. Afirmou ainda que este acto "significa a consagração de um filho de Albufeira e constitui também um elo de ligação com o futuro que se irá desenvolver nestas paragens. A rua hoje inaugurada vai desembocar num espaço que servirá para aí se implantar a futura igreja, a qual será dedicada a São Vicente de Albufeira, como se espera". Por fim, disse que "o apelo da hora que passa é um olhar atento às necessidades destes jovens, das crianças e de quantos aqui celebram a fé que motivou a glorificação de Beato Vicente de Albufeira. Esta terra não é uma terra só de praia ou sol ou diversão nocturna. Também é uma terra de santos!". A cerimónia terminou com o sentir de que um mártir da fé cristã ainda tem lugar no mundo contemporâneo, tendo sido um momento de exaltação da fé de Cristo, no acto de homenagem a Beato Vicente de Albufeira.