Com efeito, o passado sábado, acordou debaixo de chuva intensa, o que desmobilizou muitos dos 2000 participantes previstos nesta actividade, promovida pelo CNE – Corpo Nacional de Escutas do Algarve, intitulada “Jamboree da Amizade em Baltum”, designação atribuída a Albufeira durante a ocupação romana. Essa ausência foi notória sobretudo ao nível das I e II secções, as que são constituídas pelos escuteiros mais novos (Lobitos e Exploradores). De qualquer forma, foram bem mais de 1000 aqueles que convergiram para Albufeira, para celebrar um dia, cuja mística escolhida procurou recriar o ano 284 da era Cristã. Em torno do objectivo do fomento da amizade, durante a manhã, realizaram-se jogos por secções, tendo havido alterações em relação à previsão inicial porque estavam essencialmente previstos para a rua, com excepção dos três ateliês dos Caminheiros – “Eu e os Outros”, “Eu e a Comunidade” e “Eu e a Fé” – que se concretizaram tal como previsto, por não estarem projectados para o exterior. Os ateliês encerraram com uma actuação do grupo Laudate, no interior da igreja matriz de Albufeira, para onde convergiram, para além dos Caminheiros, também os Pioneiros e respectivos chefes. Para os Pioneiros tinha sido preparado um jogo de cidade que não se concretizou e os Lobitos também deveriam ter realizado jogos ao ar livre. “Tudo isso acabou por ser transferido para espaços interiores, sendo que os Lobitos ficaram no Pavilhão Multiusos de Albufeira”, esclareceu à FOLHA DO DOMINGO Maria José Leote, da Junta Regional do Algarve do CNE. Também o desfile previsto e a celebração da Eucaristia acabaram por ficar condicionados. Os agrupamentos foram-se encaminhando individualmente para o Pavilhão Multiusos, espaço que acolheu a celebração da Eucaristia na impossibilidade de esta poder decorrer no exterior da igreja da Orada. O Bispo do Algarve, que presidiu à celebração, no final da Eucaristia, dirigiu palavras fortes aos dirigentes do CNE. A intervenção de D. Manuel Quintas foi motivada pelos recentes desenvolvimentos ocorridos no âmbito da campanha para a eleição da Junta Regional do Algarve, com o aparecimento, nos últimos dias, de um panfleto anónimo, enviado a todos os agrupamentos da região, procurando denegrir a imagem dos membros da única lista concorrente. O Bispo diocesano considerou que tais atitudes não se enquadram no espírito escutista e cristão e deixou mesmo um aviso: se tiver conhecimento de que existem dirigentes do CNE a persistir neste tipo de comportamento será ele próprio a convocar uma reunião de pais para os colocar ao corrente da situação para que possam, em consciência, optar por um agrupamento com chefes melhor preparados para colaborar na formação dos seus filhos. D. Manuel Quintas agradeceu ainda à Junta Regional pelo trabalho realizado no mandato que agora termina e reconheceu igualmente a colaboração prestada pela equipa que, no período de doença do actual chefe regional, permitiu que a Junta Regional chegasse a completar os três anos de trabalho. A intervenção de D. Manuel Quintas foi ovacionada no final por muitos dos dirigentes escutistas presentes. Para além do efectivo do CNE, estiveram presentes alguns grupos da AEP – Associação dos Escoteiros de Portugal. A AGP – Associação Guias de Portugal, também convidada, não pôde estar presente em virtude de ocorrer a tomada de posse dos seus responsáveis regionais. Dia de S. João de Brito Nos passados dias 9 e 10 de Fevereiro, a Junta Regional do CNE assinalou também a comemoração do Dia de São João de Brito, patrono dos Pioneiros e Marinheiros (secção equivalente nos escuteiros marítimos), que teve lugar em Paderne. Realizado em torno de um imaginário que procurou fazer memória dos tempos desde a ocupação romana até à reconquista cristã, a actividade no sábado de manhã foi constituída pela montagem do campo, seguida da parte da tarde, da realização de vários jogos como o tiro ao alvo com arco e flecha, gladiadores com lança, cabra cega, chapéu com prego, fisga gigante, entre outros. Ao jantar decorreu ainda um concurso de culinária e o fogo de conselho foi animado por várias peças relacionadas com o imaginário. O domingo foi dedicado a ateliês variados, como o de nós, de medidas de rios, de varas, de formaturas, de orientação, de palavras cruzadas entre outros. O Dia do Pioneiro terminou, após o almoço, com a celebração da Eucaristia Mais fotos na Galeria de Imagens