D. Manuel Quintas começa por explicar no documento, – disponível para download na secção ‘Documentos’ deste Portal –, que este é “um tempo por excelência para cultivar e fortalecer a relação familiar que todos devemos nutrir pelo nosso Seminário, como expressão de corresponsabilidade com a sua finalidade e de comunhão com a sua equipa formadora e com os nossos seminaristas e pré-seminaristas”. O Bispo diocesano lembra que, na Diocese do Algarve, tal como em anos anteriores, esta vivência ocorre “como tempo privilegiado de oração”, através do Lausperene Diocesano que decorre nas diversas paróquias algarvias. “Com esta cadeia de oração eucarística que vai unir todas as nossas comunidades paroquiais, queremos responder ao apelo de Cristo «pedi ao Senhor da messe que mande trabalhadores para a sua messe»”, salienta o prelado, lembrando que a oração “é ponto de partida e de chegada de um compromisso comunitário vocacional de todos os agentes de pastoral: famílias, padres, diáconos, catequistas, pais, educadores a todos os níveis, movimentos, institutos de vida consagrada…”. D. Manuel Quintas recorda a propósito que “a pastoral vocacional continua a ser uma opção com particular ênfase” do Programa de Pastoral da Igreja do Algarve. Também pelo facto de se estar a celebrar o Ano sacerdotal, a Semana do Seminários “adquire um cunho particular”. “O Seminário é não só «espaço e tempo» privilegiado de discernimento vocacional, mas apelo permanente, dirigido a todos os sacerdotes, a «reanimar» o dom que Deus lhes concedeu para o serviço do seu povo. Esta tarefa, sem deixar de ser pessoal e quotidiana de cada sacerdote, exige igualmente a participação orante de cada comunidade. Assim, com a oração pelo aumento de vocações de consagração, queremos manifestar ao Senhor a nossa gratidão pelo dom dos nossos sacerdotes, pelo que são e pelo seu ministério ao serviço da nossa Igreja diocesana”, explica. Por outro lado, a realização ao longo deste ano de um dia mensal de adoração eucarística vicarial, com a disponibilidade permanente de um sacerdote para a celebração da reconciliação, “possibilitará um conhecimento mais profundo do dom do sacerdócio e ajudar-nos-á a realizar o objectivo primordial desta proposta para toda a Igreja”, acrescenta D. Manuel Quintas. O Bispo do Algarve deseja ainda que o testemunho do ministério dos sacerdotes algarvios “possa constituir para todos estímulo no compromisso corresponsável pela realização da missão” do Seminário diocesano. “Que a alegria que transparece desse testemunho, fruto da fidelidade à vocação recebida, possa ser interpelação e apelo no dom de Cristo de novas vocações de consagração ao serviço da Igreja e do mundo”, conclui.