Promovida pela Federação de Motociclismo de Portugal (FMP) em colaboração com o Moto Clube de Faro, esta iniciativa, que ocorre anualmente no primeiro domingo após a Páscoa, teve início logo na noite de sábado, com a recepção a todos os participantes, tendo havido música ao vivo no Jardim Manuel Bívar com a banda HexaVox. Antes, pelas 21.30 horas, partindo dali, saiu uma caravana de motos para um dos momentos significativos das comemorações. Os ‘motards’ rumaram até ao monumento aos motociclistas, situado à entrada da cidade, para colocar uma coroa de flores em homenagem a todos os entusiastas dos veículos de duas rodas já falecidos. No domingo, pelas 15 horas os participantes concentraram-se no largo de São Pedro para a procissão, presidida pelo pároco de São Pedro de Faro, padre Manuel Rodrigues, que seguiu até ao largo de São Francisco. Habituados a acolher anualmente os motociclistas para a Concentração Internacional de Motos, os habitantes de Faro saíram à rua para assistir à manifestação pública de fé dos ‘motards’. Para além dos estandartes e bandeiras dos inúmeros clubes presentes, integrou igualmente o cortejo litúrgico um andor com a imagem do arcanjo São Rafael, padroeiro dos motociclistas, e um outro com São Vicente, padroeiro da Diocese do Algarve. A charanga da GNR, com os militares a cavalo, e a fanfarra dos Bombeiros Municipais de Faro ajudou também à solenidade do acto. A Eucaristia ao ar livre, presidida pelo padre José Fernando, também ele motociclista, que há anos se dedica ao trabalho pastoral no meio ‘motard’, foi igualmente concelebrada pelo padre Manuel Rodrigues. A comemorar, naquele dia, 25 anos de sacerdote, o padre José Fernando dirigiu a sua homilia de forma informal aos motociclistas, estabelecendo por vezes diálogo com a numerosa assembleia com base no Evangelho do dia. “Às vezes, Deus, nas circunstâncias da nossa vida, diz-nos muitas vezes: «não sejas incrédulo, mas acredita!»”, observou o sacerdote. Interpelando directamente os presentes, interrogou-os sobre o sentido da sua participação naquela Eucaristia de acção de graças à luz da revelação que Tomé tinha tido. “Nós vimos as chagas de Cristo? Vimos Cristo com a lança espetada no seu lado? Então o que é que estamos aqui a fazer?”, questionou o sacerdote, obtendo a resposta da multidão: “Porque acreditamos!”, gritava alguém. “Felizes aqueles motociclistas que, todos os anos, sem verem grandes coisas na sua vida, pegam na sua moto e fazem centenas de quilómetros para ir à missa do motociclista. E vão porque acreditam em Deus”, evidenciou o sacerdote, acrescentando: “estamos aqui porque, sem sabermos explicar porquê, acreditamos em algo que está acima de nós e que, apesar de tudo, ainda vai orientando a nossa vida”. Após a homilia, diversas vezes aclamada pela multidão, teve continuidade a celebração que contou com a participação especial do cantor Clemente. Outro dos momentos simbólicos aconteceu quando foi trazida ao altar uma coroa de flores em memória dos ‘motards’ falecidos. Antes do final da celebração, que contou também com a participação da Governadora Civil do Distrito de Faro, Isilda Gomes, o padre José Fernando, transportado por uma moto, passou pelo meio da multidão para a bênção de motociclistas, respectivas motos e capacetes. No final da Eucaristia, coube ao vice-presidente da FMP, António Manuel Francisco, a palavra. Aquele responsável deixou a garantia da organização das edições futuras daquela iniciativa que já tinha tido lugar em Sagres, em 2006, e aproveitou para exigir do Estado mais sensibilidade para reivindicações dos motociclistas. José Apolinário, presidente da Câmara Municipal de Faro que apoiou o evento conjuntamente com a paróquia de São Pedro, despediu-se de todos participantes até à próxima edição da concentração de motos, promovida pelo Moto Clube de Faro, agendada para o terceiro fim-de-semana de Julho. Mais fotos na Galeria de Imagens