Pelas 16 horas, a Eucaristia presidida pelo Bispo do Algarve e concelebrada por muitos sacerdotes daquela vigararia foi o ponto alto da tarde maior das festividades. Na homilia proferida no palco com o altar montado em frente do monumento a Duarte Pacheco, D. Manuel Quintas começou por explicar porque se realiza a festa 15 dias depois da Páscoa. “Aqueles que iniciaram esta festa querem que a celebremos tendo presente a ressurreição de Jesus”, justificou. “Olhando para a imagem da Senhora da Piedade vemo-la com o seu filho descido da cruz no regaço. Uma cena que para a aqueles que não têm fé não aponta para a alegria pascal, mas para nós que temos fé e a professamos, sabemos que Jesus morreu e ressuscitou, está vivo e no meio de nós”, complementou o Bispo do Algarve, exortando a multidão a louvar a Deus “pelo testemunho de fé” de Maria, que “se uniu de forma singular, não apenas no nascimento e concepção virginal de Jesus, mas também sua paixão e morte na cruz”. “Por isso Ela é a Mãe Soberana, a Mãe co-redentora, que nos indica o caminho de como devemos associar-nos a participar da obra redentora de Cristo. É deste modo que Maria, Mãe de Jesus é a Mãe Soberana. É deste modo que nós participamos também dessa soberania, fazendo da nossa vida uma vida de serviço, doação e dedicação aos outros”, clarificou o Bispo do Algarve. O Prelado exortou os presentes, ao contemplarem Maria, a acolherem-na como Mãe e a levarem-na para a sua vida, fazendo o que Jesus disse. “Só fazendo o que Jesus disse é que podemos acolher, como discípulos, sua Mãe em nossa casa, certos que a sua presença suprirá as nossas fragilidades em vivermos com fidelidade aquilo que Jesus nos disse”, concretizou. Lembrando que os cristãos seguem “alguém que ressuscitou e não apenas alguém que morreu crucificado” e que isto deve “mudar totalmente” a sua vida, D. Manuel incitou ao compromisso com a Igreja. “Esta imagem da Mãe Soberana com Jesus no seu regaço deve sugerir-nos constantemente essa figura de Cristo vivo e ressuscitado que apareceu aos doze de tantas maneiras e que quer fazer de nós hoje testemunhas da sua ressurreição”, afirmou. Por fim, desejou que todos os baptizados “tivessem maior consciência do que significa ser baptizado e discípulo de Cristo”, que “aprofundassem os conteúdos da sua fé”, que “iluminassem a sua vida com a Palavra de Deus”, que “a fortalecessem com a Eucaristia”, que “a solidificassem com o amor fraterno e o serviço aos outros”. “Gostaríamos que assumíssemos com maior consciência, a partir dos sacramentos da iniciação cristã, o sentido de pertença à Igreja e de uma participação mais viva na comunidade e o empenho decidido e corajoso no mundo; que todos os que se dizem cristãos participassem de uma maneira mais fiel e viva na Eucaristia dominical, que celebrassem o sacramento da Reconciliação como meio privilegiado de conversão pessoal, que superassem a tentação de separar a fé da vida”, acrescentou, apelando a que se privilegie a Pastoral das Vocações, da Família e ao crescimento na dimensão da Caridade. “É deste modo que podemos criar e construir comunidades vivas, eucarísticas, fraternas e missionárias”, justificou. Após a celebração eucarística e as efusivas evocações à Mãe Soberana pelo pároco de Loulé, o padre Henrique Varela, irromperam então no meio dos aplausos da multidão os homens do andor que, subido ao palco, transportaram em ombros o andor da Pietá algarvia. Ao som da banda, a dança com a imagem ornada de correntes de ouro, seguiu também ao ritmo de emotivos vivas a Nossa Senhora da Piedade e aos homens do andor até ao Santuário mariano, na colina sobranceira à cidade, pejada de gente determinada em escolher o melhor lugar. Pela calçada acima, um mar de gente correu à frente e trás do andor, unida no esforço dos homens do andor de o transportar até à igreja de onde desceu no domingo de Páscoa. Já no Santuário, com muitos vendedores de ocasião de imagens, lenços, e de comes e bebes, o padre Manuel Barbosa, que não só presidiu ao cortejo como orientou o tríduo de oração que precedeu a Festa Grande, proferiu o sermão de acolhimento à imagem mariana. Mais fotos na Galeria de Imagens