Sexta-feira 29 de Novembro de 2019
Inicio / Noticias / NO MUNDO DOS RUÍDOS, VIVE-SE EM SOLIDÃO

NO MUNDO DOS RUÍDOS, VIVE-SE EM SOLIDÃO

Esta solidão deve-se ao modo como a nossa sociedade trata os seus idosos. É deveras significativo o abandono a que tantos filhos deixam os seus progenitores na velhice… Sem dúvida que a pressão de subsistência é importante bem como uma boa alimentação, um bom aposento, mas tendo isto não basta, porque as pessoas em todas as idades e mormente quando o peso dos anos mais se faz sentir, precisam também e sobretudo de manifestações de carinho e de afecto, de amparo, de ajuda e de poderem desabafar. Neste sentido quão importante é o papel dos filhos e dos netos, na medida em que lhes poderão proporcionar, a par de todo o bem estar de ordem material, também a felicidade e a alegria interior de se sentirem estimados e amados. Li algures e vem a propósito transcrever aqui as Bem-aventuranças do ancião: 1. Bem – aventurados serão aqueles que compreendem meus passos facilantes e minhas mãos trémulas; 2. Bem – aventurados aqueles que compreendem que meus ouvidos estão cansados e têm de se esforçar para captar o que eles dizem; 3. Bem – aventurados aqueles que percebem que meus olhos estão enublados e minhas reacções são lentas; 4. Bem – aventurados os que, com afável sorriso, me deixam falar frequentes vezes de coisas sem importância, a seus olhos; 5. Bem – aventurados os que nunca me dizem esta frase desagradável: “você já contou isso tantas vezes…” ou “está sempre a falar do mesmo”; 6. Bem – aventurados os que sabem dirigir as conversas e as recordações para as coisas do meu tempo… 7. Bem – aventurados aqueles que me fazem sentir que ainda sou amado, que ainda conto para eles e que jamais serei abandonado. 8. Bem – aventurados os que compreendem quanto me custa encontrar forças para levar com paciência a minha cruz de cada dia… 9. Bem – aventurados os que aceitam as minhas limitações e defeitos e desviam o olhar quando derramo algo sobre a mesa ou deixo cair algo no chão; 10. Bem – aventurados os que me facilitam a vida e me ajudam com um sorriso e estão ao meu lado, com carinho e ternura, quando chegar a minha hora de partir… Quer isto dizer, em síntese, que serão felizes todos aqueles que souberem tratar dos pais, dos avós e dos amigos, como gostariam de ser tratados, quando chegasse a sua vez.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …