Efectivamente, como foi assinalado e apontado, o Programa não é um documento fechado, mas o caminho para que se cumpra com determinação, empenho e espírito de missão, imbuídos pela Fé em Deus reforçada na Ressurreição gloriosa e redentora de Jesus Cristo e iluminados pelo Divino Espírito Santo, é cumprirmos os desígnios do Senhor. É afinal colocar Cristo no Mundo, inculcar a sua Mensagem entre os homens e torná-Lo o centro da nossa vida e do nosso testemunho. Cada um de nós, nas vicissitudes próprias e intrínsecas individuais para que na indicação de Maria, a Senhora do Sim, «Fazei o que Ele vos disser» o Seu reinado de paz, de amor e de justiça, possa acontecer. Não basta, qual exercício académico, se apreender o Programa Pastoral, mas vivê-lo em cada instante para que o quotidiano seja um ano de louvor a Deus Pai, Criador do Céu e da Terra, na corrente eterna de amor que dedica aos homens Seus filhos. Só assim entendemos este desafio que nos é colocado e em que havemos de nos assumir como Cristãos nesta Terra de Santa Maria, que hoje é verdadeira mente Terra de Missão, a qual nos toca e envolve a todos, sem exclusões ou individualismos, mas em verdadeira comunhão eclesial e tendo como centralidade Cristo.