Segunda-feira 28 de Outubro de 2019
Inicio / Noticias / NÚMERO ASSUSTADOR DE “MENINOS DE RUA”

NÚMERO ASSUSTADOR DE “MENINOS DE RUA”

Este problema tem preocupado a Igreja Católica que, várias vezes, através do Conselho Pontifício da Pastoral dos Migrantes, o tem manifestado. E não é caso para menos, pois, dizem as estatísticas que há mais de cem milhões de meninos de rua. Infelizmente as instituições públicas, mesmo quando manifestam consciência da gravidade do fenómeno, não se mobilizam de modo adequado, com eficazes intervenções de prevenção e recuperação. Mesmo na sociedade civil o comportamento que prevalece é muitas vezes de alarme social, porque se está diante de uma ameaça à ordem pública… Daí o verificar-se haver mais preocupação com a protecção pessoal em relação ao perigo constituído pelos meninos de rua do que a ajuda de que estes precisam. Dificilmente emerge o sentido humanitário, solidário, e ainda mais o sentido cristão… Tanto nos países em desenvolvimento como nos países desenvolvidos o número de meninos de rua é alarmante e sem controlo… São imensas as causas deste fenómeno. Entre as principais podemos enumerar a crescente desagregação das famílias, emigração, pobreza e miséria, dependência de drogas e de álcool, prostituição e indústria do sexo, tudo isto a par das guerras e desordens sociais. Até nesta nossa velha Europa o fenómeno é notório devido, sem dúvida, à falta de valores de referência… Mas, por outro lado e graças a Deus, assiste-se também por essa Europa fora à criação de grupos paroquiais e outros em que são formadas equipas de evangelização, incluindo, está claro, equipas de jovens “missionários” que levam o abraço de Cristo Ressuscitado aos outros jovens, transmitindo-lhes toda a mensagem evangélica, utilizando para esse fim os mais variados meios, como espectáculos bem estruturados o­nde estão sempre subjacentes os grandes ideais do Cristianismo…

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …