A Basílica romana de São Paulo é um dos lugares mais sagrados do cristianismo. Foi naquele lugar da Via Ostiense, na margem esquerda do Tibre, que São Paulo foi sepultado. Sobre o seu túmulo foi edificada a imponente Basílica Patriarcal, estando o altar colocado mesmo sobre o túmulo do Apóstolo, como recentes escavações, concluídas em 2006, confirmaram plenamente, pois aí foi encontrado um sarcófago com a inscrição "Paulo Apóstolo Martir". Desde 390 que naquele local se venera a memória do Apóstolo e a Basílica tem sido cenário de grandes acontecimentos da História da Igreja: foi lá, por exemplo, que em 25 de Janeiro de 1959, na Festa da Conversão de São Paulo, o Beato João XXIII surpreendeu o mundo com o anúncio da convocação do II Concílio do Vaticano; Foi também lá que ocorreu um dos momentos mais significativos do ano jubilar 2000, com a primeira abertura ecuménica da porta santa, a "seis mãos" pelo Papa João Paulo II, um Patriarca Ortodoxo e o Arcebispo de Cantuária, Primaz da Comunhão Anglicana. O Papa Bento XVI declarou que "este "ano paulino" poderá ser celebrado de maneira privilegiada em Roma, onde há vinte séculos se conserva sob o altar papal desta basílica o sarcófago, que, por parecer geral dos especialistas e segundo uma tradição incontestável, conserva os restos mortais do Apóstolo Paulo". O Santo Padre, deseja que naquela "Basílica Papal e na contígua abadia beneditina, possam acontecer uma série de celebrações litúrgicas, culturais e ecuménicas, assim como diferentes iniciativas pastorais e sociais, inspiradas na espiritualidade de Paulo". O ano jubilar paulino será uma ocasião propícia para peregrinações a Roma, "congressos de estudo e publicações especiais sobre os textos de Paulo", tendo Bento XVI enfatizado que este ano deverá ter uma forte "dimensão ecuménica" ou não fosse S. Paulo, como salientou o Santo Padre, "o Apóstolo dos povos, particularmente comprometido a levar a Boa Nova a todos os povos, que se entregou totalmente pela unidade e concórdia de todos os cristãos". Este será um ano simbólico, com uma forte carga "espiritual", um momento que não deverá servir só para "turismo religioso", mas principalmente para aprofundarmos o nosso conhecimento sobre a pessoa e os escritos de S. Paulo. Poderá ser também esta a oportunidade para se lançar a primeira pedra e dar início à construção da projectada Igreja de S. Paulo, no sítio do Patacão, em Faro, onde se tem vindo a desenvolver uma comunidade, que provisoriamente tem reunido na Igreja do Mosteiro Carmelita de Nossa Senhora Rainha do Mundo e tem utilizado alguns anexos para várias actividades pastorais, especialmente a catequese das crianças, por especial deferência das irmãs, mas vai sendo tempo e este ano jubilar paulino pode bem ser o momento certo para nos lançarmos definitivamente nesse empreendimento que, por feliz inspiração do antigo Pároco de São Pedro de Faro, Padre António do Nascimento Patrício, foi colocado sob os auspícios de S. Paulo, para que na cidade de Faro, tal como em Roma, haja uma igreja dedicada a S. Pedro e outra a S. Paulo, que curiosamente se situará também fora da cidade.