É por exemplo, o caso das ninfas e sereias a enfeitiçarem os pescadores gregos e outros, é a loba do Lácio a alimentar os irmãos Rómulo e Remo, fundadores lendários da que viria a ser a famosa e invencível cidade de Roma, tornada depois capital do maior Império de todos os tempos. São ainda os cavalos alados, velozes como vento, e toda a "animália" mitologia que os poetas clássicos, gregos e romanos utilizam na efabulação dos seus poemas heróicos… Por outro lado, quantas alusões a animais encontramos nas biografias dos santos!… E até mesmo pelas Escrituras Sagradas perpassa uma inumerável fauna cuja presença se reveste dos mais diversos significados. Desde o Dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres que S. João nos apresenta no Apocalipse e que é sinónimo de Satanás, passando pela Besta que profere blasfémias e que é semelhante a um leopardo, até à Serpente que simboliza o mal, a desgraça, a falsidade e astúcia… A par de todas essas animálias e sua simbologia, S. João refere-se ainda ao Cordeiro pascal que foi imolado, referido, está claro a Jesus Cristo e diante do qual os anciãos se prostram em adoração. Esse Cordeiro em cujo sangue "lavaram os seus vestidos aqueles que O seguem… Também no Antigo Testamento abundam citações e referências a bodes, a monstros mitológicos, a bestas de 10 chifres, enfim, a um grande número de outros animais, sempre como símbolos de realidades espirituais…