Mas, em primeiro lugar, é preciso desfazer certos equívocos que se foram introduzindo no pensar de muito boa gente, pois, julgam que a santidade se mede pelo número e grandeza dos sacrifícios e das penitências praticadas e consequentes sofrimentos. Tudo isto teve origem, sem dúvida, em uma má informação ou melhor numa autêntica deformação sobre a imagem à espreita para nos apanhar em qualquer falta. Ou, ainda, talvez, na má interpretação de certas passagens da Bíblia que parecem mostrar que Deus se compraz com a dor humana ou também que precisa dos nossos sacrifícios para aplacar a Sua ira… Ora, a Sagrada Escritura está repleta de passagens que nos mostram, precisamente, o contrário, afirmando textualmente que Deus "não quer os nossos sacrifícios e holocaustos, mas sim o nosso coração…" É bem evidente que não é Deus que precisa ser aplacado, nós é que precisamos de nos colocarmos em atitude de conversão. Nós é que precisamos de orar, de mudar de vida, de nos convertermos de verdade praticando a caridade em todas as suas dimensões, quer dizer, no sentido vertical em relação a Deus e no, sentido horizontal, em relação aos homens…