A dependência servia então para a catequese, embora já não na sua totalidade, devido à evidência de falta de segurança nalgumas zonas. «Estive à espera que o IPPAR – Instituto Português do Património Arquitectónico me autorizasse a mexer no telhado», referiu o pároco, o padre Augusto de Brito, justificando a demora na intervenção que certamente viria a impedir o abatimento do telhado que se veio a verificar. O pároco refere ainda que «a pouca chuva que têm caído é que não levou a maiores estragos», pois «dentro da igreja também chove». Agora, com a colocação de uma nova placa e de um novo telhado, a sala, actualmente em obras exteriores e interiores, continuará a servir para a catequese. Aproveitando a realização desta intervenção, o pároco alargou ainda as obras à antiga garagem e arrecadação da igreja paroquial que depois de concluídas, as duas dependências continuarão com o mesmo fim. As duas intervenções deverão, segundo o padre Augusto de Brito, orçar em «menos de 10 mil euros».