Refiro-me ao Padre Elísio Dias que, naquela tarde, na Igreja – Mãe da Diocese, a Sé Catedral de Faro, dizia, tal como Maria, Mãe de Cristo e nossa Mãe, o fez com a mesma determinação, fé e querer ("Faça-se em mim a vontade do Senhor!", o seu SIM à faina ingente de semeador da seara do Pai!. Ao longo destas quatro décadas o Padre Elísio, e o seu sentido de vivência permanente da missão com plena dignidade assumida e concretizada, tem sido um abraço de Cristo aos homens e um elo comunicativo dos homens junto do Redentor da Humanidade. Da humildade da histórica Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em pleno centro da aldeia piscatória dos tempos idos à imponência e modernidade da Igreja de São Pedro do Mar na Cidade – Praia de hoje, com a irradiação do significativo templo de Nossa Senhora da Alegria, na outra – Quarteira que é Vilamoura, há todo um percurso de quem há 39 anos (15 de Setembro de 1968) assumiu o encargo de pastor destes hoje muitos milhares de almas vindas ou ligadas às mais diversas culturas e origens. Natural de São Mamede de Vermil (Guimarães), onde nasceu a 17 de Dezembro de 1930, ali junto ao berço da Nação Portuguesa, veio para se fazer Sacerdote de Cristo e servir esta Diocese a que se entregou com a plenitude (Teiilard de Chardin escreveu "Tout ce que monte s’éleve"), a que só as almas eleitas o fazem. Atestam-no estes 40 anos de vida consagrada pelos quais bendizemos e agradecemos, através de Maria, a Deus Nosso Pai e Senhor!