Intitulada “Fátima, sinal de esperança para a Humanidade”, a Oratória dá voz a alguns dos momentos que marcaram a história das aparições em Fátima, com texto organizado por António Aparício e colaboração de J. Paulo Quelhas, com base nas “Memórias da Irmã Lúcia”, e música do compositor padre António Cartageno. Segundo o cónego José Pedro Martins, vigário episcopal para a Pastoral da diocese do Algarve, a iniciativa surgiu com o objectivo de “valorizar a passagem da imagem mariana pelo Algarve”. “Trata-se de uma acção para toda a diocese”, justifica aquele responsável, explicando que será Portimão a acolher a iniciativa por causa do espaço necessário para a sua realização. O cónego José Pedro Martins assegura que o Arena de Portimão tem condições para receber não só os 366 elementos que compõem a Oratória, como tem capacidade para 8000 pessoas sentadas. Participam então na execução da Oratória 8 solistas (5 crianças e 3 adultos), um coro composto por 11 grupos (6 de Leiria, 4 de Beja e o Coro Infantil do Santuário de Fátima) e a Orquestra Filarmónica das Beiras, com 47 músicos, dirigidos pelo maestro Mário Nascimento. Aquando da sua estreia, o compositor afirmou a sua principal intenção para este trabalho musical: “Desejo que esta obra, sempre que for apresentada, seja um grande momento de difusão da mensagem de Fátima; que as palavras e a música com que as revesti toquem realmente o coração das pessoas e as ajudem a encontrar-se com Deus. Porque Nossa Senhora é o melhor caminho para chegar a Deus: «Per Mariam ad Jesum»”. Ainda a propósito deste trabalho, o compositor explicou: “A Cantata sacra e a Oratória (ou Oratório) têm em comum o facto de serem composições vocais e instrumentais de grandes proporções, de tema religioso e com o uso de recitativos, áreas, coros, etc. Mas a Oratória tem algo de específico que a distingue da Cantata: desde logo, o papel do Narrador (historicus), que é um personagem típico das Oratórias e das «Paixões» e ao qual é confiado o papel de «narrar» os acontecimentos e ir interligando as diversas partes da acção dramática. Portanto, ele desempenha uma função narrativa – neste caso vai contando o essencial da história de Fátima, na qual são inseridas as várias personagens intervenientes na acção dramática: o Anjo, Nossa Senhora e os Três Pastorinhos”. Os ingressos para esta iniciativa cultural, que conta com o apoio da Câmara de Portimão, estarão brevemente à venda, pelo valor de 5 euros, nos Serviços Diocesanos de Pastoral em Faro (tel. 289 807 590), no Largo da Sé e nas paróquias algarvias.