A encenação da Paixão de Cristo pelas ruas das três localidades foi vivida de modo especial pelos habitantes locais que ocorreram em massa, mas atraiu ainda nas três noites muitos fiéis, vindos um pouco de todo o Barlavento algarvio. Procurando uma fiabilidade aos textos sagrados, a recriação do mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo envolveu não só as pessoas que se deslocaram propositadamente para assistir à encenação mas também os traseuntes que passavam pelas ruas. Com um guarda-roupa cuidado com alguns pormenores que denunciam a re-edição da actividade ao longo dos últimos anos, a seriedade aplicada às últimas cenas da vida terrena de Cristo motivou a atenção de quem assistia. Para isso contribuiram também fortemente os diversos efeitos criados com luzes, som e fumos, bem como o facto de a personagem de Jesus ter o texto completamente decorado e os principais intervenientes terem microfones de lapela. Envolvendo cerca de 100 elementos (entre 80 actores e figurantes e 20 pessoas encarregadas da logística – narração, som, adereços, luz, etc) nas três encenações que se realizaram durante os dias que antecederam a Páscoa (dia 30 de Março, na Mexilhoeira da Carregação, Quarta-feira Santa no Parchal e na Sexta-feira Santa em Estômbar), a encenação da Paixão de Cristo contou sobretudo colaboradores não membros do agrupamento, sobretudo familiares, amigos e conhecidos, vindos de localidades diversas (Silves, Lagoa, Portimão, Estômbar, Mexilhoeira da Carregação, Parchal, Calvário) e ainda com a ajuda dos vizinhos agrupamentos do CNE do Parchal e Mexilhoeira da Carregação, tendo os ensaios decorrido ao longo dos últimos 2 meses. O pároco das três comunidades, o padre Domingos Fernandes, considerou à FOLHA DO DOMINGO que "a riqueza" da actividade consiste em "recordar para muita gente, não só para praticantes, o significado da Semana Santa". Carlos Silva, chefe da II secção do agrupamento de Estômbar e responsável por esta actividade, explicou como surgiu a ideia de realizar a mesma. "Víamos encenações deste tipo, principalmente no Norte do País, e achámos que deveríamos fazer também, porque seria uma forma de envolver os familiares dos membros do agrupamento numa actividade sua. Por outro lado, entendemos que seria também um modo de vivermos todos, de forma mais activa a preparação para a Páscoa, participando efectivamente no tempo que estávamos a viver: a Quaresma e a Semana Santa", referiu. Aquele responsável garantiu ainda que os custos com a iniciativa rondam somente os 1000 euros" porque já existe material conseguido de anos anteriores. Os apoios foram essencialmente da Câmara Municipal de Lagoa e das Juntas de Freguesia do Parchal e da Mexilhoeira da Carregação, embora tenham tido também alguns apoios de entidades particulares que ajudaram na confecção de alguns trajes e de pessoas anónimas que cederam os espaços das suas casas para a encenação. Ainda no âmbito do programa da comemoração dos 25 anos da fundação do agrupamento de Estômbar, realiza-se ali este ano a comemoração do Dia do Explorador a nível regional, nos dias 28 e 29 de Abril.