Recorde-se que Filipe Rossa (paróquia das Ferreiras) e João Pedro Baganha (paróquia de Quelfes), ambos acólitos (na foto com os trajes tradicionais que levaram a Sidney), foram escolhidos a nível nacional para integrar a equipa litúrgica que colaborou directamente nas celebrações. A Diocese do Algarve enviou 15 jovens ao encontro mundial como o Papa, sendo que destes, 13 pertenceram ao grupo organizado pelo Sector da Pastoral Juvenil da diocese algarvia, enquanto os restantes dois (sendo um deles o padre Flávio Martins) inscreveram-se através do Caminho Neocatecumenal, integrando um grupo das comunidades da Zona Sul de Portugal que também rumou à Austrália. Dos 13 elementos deste grupo, 6 eram da paróquia de Ferreiras, 3 da paróquia da Mexilhoeira Grande, um da paróquia de Lagoa, um da paróquia de Ferragudo, um da paróquia de Nossa Senhora do Amparo e um da paróquia de Quelfes. As lembranças oferecidas foram, pela paróquia de Ferreiras, uma miniatura do farol de Albufeira, um livro de promoção do concelho de Albufeira, a bandeira do concelho, um ofício do presidente da Câmara de Albufeira, Desidério Silva, uma bandeira nacional, assinada por todos os jovens da paróquia, um prato de porcelana da Junta de Freguesia de Ferreiras e um galhardete do Futebol Clube de Ferreiras. A paróquia de Quelfes ofertou ainda um galhardete e um prato da Junta de Freguesia de Quelfes. Nas circulares enviadas aos párocos das duas paróquias, assinadas por monsenhor Gabriele Caccia, assessor da Secretaria de Estado do Vaticano, é referido que os dons oferecidos ao Sumo Pontífice, em Sidney, acompanharam até Roma a Cruz das Jornadas Mundiais da Juventude e o ícone de Nossa Senhora para a celebração de Domingo de Ramos deste ano na Praça de São Pedro. “Com a comitiva jovem australiana que veio a Roma para a referida entrega da Cruz no passado dia 5 de Abril, viajaram vários dons lá recebidos no mês de Julho passado, entre os quais as significativas lembranças com que o povo de Ferreiras e Quelfes quis então homenagear o Santo Padre”, referem os documentos, que manifestam ainda, não obstante o lapso de tempo transcorrido, a “viva gratidão” do Papa “a quantos estiveram mais ou menos directamente envolvidos e representados na concretização da referida homenagem”. Bento XVI dirige ainda uma particular bênção apostólica aos paroquianos de ambas as comunidades.