Contando com a presença de Gerald McCann e Katie Healy, os pais da pequena Madeleine, a Eucaristia evocativa do seu quarto aniversário trouxe mais uma vez à igreja paroquial da Nossa Senhora da Luz uma multidão de pessoas para orar e partilhar com o casal inglês os seus sentimentos de dor e de esperança, de confiança e também de acção de graças pelo dom da vida da sua filha. Na homilia, o pároco, o padre José Manuel Pacheco, perante uma assembleia verdadeiramente internacional e ecuménica (com a presença de católicos e anglicanos, incluindo o padre, capelão da Igreja anglicana da Luz), convidou à oração confiante e à profunda comunhão com os pais e com Madeleine "onde quer que ela se encontre". Sublinhou o contributo que esta situação tem trazido à comunhão entre as pessoas, à aproximação de diferentes Igrejas e países, tendo destacado o gesto de ver na porta da igreja, colocadas por populares, duas fitas verde (símbolo da esperança para os portugueses e amarela (com igual significado para os ingleses), sinal de união das duas comunidades em torno de uma causa comum. O padre José Manuel Pacheco realçou ainda o testemunho de fé e oração dos pais de Maddie que têm mantido "o espírito de serenidade e confiança que brotam na fé" e também a interiorização que têm procurado na oração diária, contemplativa e silenciosa, diante de Jesus Eucaristia. No momento de acção de graças após a comunhão, Gerald McCann surpreendeu a todos com uma mensagem de agradecimento e estima por tantos que se têm associado à família e com ela têm partilhado esta hora difícil de dor. O pai de Madeleine reconheceu ainda a importância da paróquia com o seu apelo à oração, à coragem e à perseverança. Já na sexta-feira à noite, a paróquia tinha também organizado uma Vigília da Esperança de oração pela Madeleine. Tendo contado igualmente com a presença da família McCann, a noite de oração foi marcada pela esperança, simbolizada na cor verde que encheu a igreja local. Perante as muitas pessoas que encheram por completo a pequena igreja da Luz, o padre José Manuel Pacheco referiu-se particularmente à segunda das três virtudes teologais: a esperança. "O viver do cristão é um viver na fé, na esperança e na caridade. E a esperança não morre porque Cristo ressuscitou. Ele é a nossa esperança, logo nada nos poderá separar do amor de Deus. A nossa esperança não morre porque no coração de cada um de nós e no coração de Deus está a nossa menina", afirmou o sacerdote. O padre José Manuel Pacheco sublinhou que "ainda que no meio da dor, quem tem fé mantém-se sempre sereno e confiante". "O facto de estarmos aqui é também o nosso grito à defesa das crianças", afirmou, considerando que "a fé pode salvar esta criança". "No meio da maldade dos homens e do mal podemos contar com a presença e a abertura de Deus que nunca falha", disse. Alguns símbolos trazidos por crianças e jovens significaram o que a comunidade paroquial sentiu durante os últimos dias. "Sabendo que estamos nas mãos de Deus. Esta deve ser sempre a nossa atitude. Perante o mistério do desaparecimento da Madeleine não pode haver outra atitude senão esta: mãos abertas, porque ela está nas mãos de Deus", afirmou o pároco referindo-se ao símbolo com umas mãos abertas que no final foi entregue a todos os participantes, juntamente com um convite à esperança e à oração e uma fotografia de Madeleine. Momento particularmente significativo aconteceu ainda com uma senhora portuguesa a oferecer um ramo verde à mãe, Katie Healy, que não largou por um instante os dois bonecos da sua filha. O caso de Madeleine McCann conheceu, nos últimos dias, novos desenvolvimentos com a constituição do primeiro arguido no processo, o britânico Robert Murat, que acompanhou de perto as investigações policiais, colaborando até com a polícia e prestando apoio aos jornalistas.