À beira de completar 39 anos como pároco das paróquias de Santa Maria e São Tiago da cidade tavirense, o padre David Sequeira foi agora substituído, depois de ter manifestado ao Bispo do Algarve “a sua total disponibilidade ou para deixar as paróquias ou para continuar com a ajuda de alguém”, como explicou D. Manuel Quintas no decurso da celebração. Neste contexto, o Bispo diocesano começou por iniciar a Eucaristia, convidando inúmeros fiéis presentes, que encheram por completo a igreja, a “louvar o Senhor na pessoa do senhor padre Sequeira que deu o melhor de si mesmo” ao serviço daquelas comunidades paroquiais. Por outro lado, o Prelado convidou simultaneamente a assembleia a “acolher com o mesmo espírito de louvor e de fé” o novo pároco que disse vir “não directamente em nome do Bispo, mas em nome do Senhor, para distribuir os dons de Deus e para servir” aquelas comunidades. Mais adiante, no decurso da sua homilia, D. Manuel Quintas explicou aos paroquianos das comunidades tavirenses que, apesar de a partir daquele dia ser o padre Dinis Faísca o seu pároco, o prior cessante continuava disponível para “dar apoio de acordo com as necessidades”. Após a leitura da provisão da nomeação, da profissão de fé, do juramento de fidelidade, da entrega da chave da igreja ao novo prior e do acto da tomada de posse, o Bispo do Algarve justificou, na sua homilia, o fim da função de pároco do padre David Sequeira. “Não é que não sentisse vontade de continuar, mas devido às solicitações tão grandes e urgentes e devido às limitações pela idade e pela saúde, achou que era bom que houvesse «sangue novo» e forças novas”, explicou D. Manuel Quintas, acrescentando que este é o espírito que deve caracterizar a intervenção dos cristãos na Igreja, não obstante serem “chamados a servir a Igreja em todas as situações” da sua vida e até ao fim da mesma. “Porque o ministério não é nosso mas de Deus, a nossa atitude é sempre de disponibilidade e serviço”, complementou, referindo-se concretamente à condição dos sacerdotes, explicando ainda que “a estruturação da diocese permitiu que pudesse dar-se esta passagem de testemunho este ano”. Agradecendo a disponibilidade do padre Dinis Faísca para assumir aquele serviço desde o primeiro momento, o Bispo diocesano admitiu que missão do novo prior “não é fácil”, mas destacou o facto de não estar sozinho. “É importante sabermos pela fé que nos une que estamos uns para os outros. Com os dons que Deus nos deu torna-se mais fácil crescermos todos nesta família”, afirmou às comunidades. Brincado com o conhecido gosto do padre Dinis Faísca pelo ciclismo, D. Manuel Quintas confessou ter comentado com alguém ser ele – o “padre ciclista” do Algarve – o sacerdote mais indicado para a cidade algarvia de maiores tradições ciclísticas. Retomando a seriedade, o Bispo diocesano fez questão de frisar que “a primeira missão do padre é anunciar o Evangelho, fazendo com que a Pessoa de Cristo sirva de referência a todos”. “Era muito bom que todos vós lhe pedísseis isso, pois só conhecendo primeiro a Pessoa de Jesus é que podemos depois entender e viver os sacramentos, nomeadamente a Eucaristia, fonte e cume da vida da Igreja”, exortou. Por outro lado, D. Manuel Quintas lembrou igualmente que “o primeiro serviço do padre à paróquia é a oração, não só pela comunidade, mas com a comunidade”. “É bom que os paroquianos vejam o seu pároco rezar diante do sacrário, caso contrário corremos o risco de ser porta-vozes apenas de alguém que nos deu um recado para darmos a outros”, afirmou, incitando ao anúncio do Evangelho a partir da vivência dessa mesma Palavra de Deus. O Bispo do Algarve considerou ainda “importante que os bispos e os párocos dediquem prioritariamente as suas energias a exercer a sua vocação e a sua missão”, justificando que os párocos algarvios “dedicam a maior parte tempo a coisas que podiam ser feitas por outros que não são padres”. Nesse sentido, exortou os paroquianos a concorrerem em todas as necessidades do seu novo prior, “de modo que o pároco dedique maior tempo da sua vida àquilo que é verdadeiramente da sua missão”. Depois da homilia, seguiu-se o renovamento das promessas sacerdotais e a visita aos mais significativos lugares, na igreja, para o exercício do ministério do novo pároco: o confessionário, a pia baptismal e o sacrário. O padre David Sequeira, no final da celebração, agradeceu à Santíssima Trindade, aos bispos do Algarve que confiaram em si, à comunidade tavirense que o “estimou e acarinhou” e consigo colaborou e pediu desculpa a “algumas pessoas a quem não tenha tratado com tanto carinho”. Por fim agradeceu igualmente “alguns insultos” que ao longo destes anos recebeu e desejou ao seu sucessor “que a sua acção seja bem recebida” naquela terra que considerou de “gente boa”. “Naquilo que entender, pode contar sempre comigo”, concluiu. O padre Dinis Faísca frequentou durante os últimos 5 anos a Universidade de Salamanca, onde se formou em Psicologia.