«Cantarei ao Senhor por tudo o que Ele fez por mim» foi tema central desta jornada, em cuja Eucaristia realizada ao ar livre, no final de uma amena tarde de Agosto, teve a presença do vigário geral da diocese, padre Firmino Ferro, na ausência do Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, que dias antes ali fora assinalar esta efeméride, numa verdadeira comunhão eclesial, bem como de sacerdotes da diocese algarvia – padres Mário Sousa e Rui Barros (Faro), Luís Gonzaga (Olhão), Joel Teixeira (Vila do Bispo), Cunha Duarte (São Brás de Alportel), Elísio Dias (Quarteira), Fernando Pedro (Salir), Carlos Matos (Luz de Tavira), etc., e das dioceses de Viseu e de Santarém, dos diáconos Luís Galante e Rogério Egídio (Faro) e seminaristas. Entre as autoridades oficiais de assinalar as presenças do presidente Francisco Leal e do vereador João Peres, da Câmara Municipal de Olhão; dos presidentes das Juntas de Freguesia de Fuseta, Moncarapacho, Olhão e Salir e do presidente da União das Misericórdias do Algarve, Candeias Neto. Toda a liturgia foi acompanhada pelo coro paroquial da Fuseta, dirigido por Valter Mendes. Sua Santidade o Papa Bento XVI dignou-se enviar ao Pároco da Fuseta e de Moncarapacho a Bênção Papal por estes 25 anos de vida sacerdotal. Após o cortejo processional o aniversariante afirmou: «Estamos a cantar a Glória do Senhor; Ele é a força do Seu povo». Recordou depois e justificou a ausência do Bispo do Algarve e a comunhão com ele vivida, para após a leitura do santo Evangelho pelo diácono Luís Galante, pronunciar a homília, em que afirmou: «O Senhor passou ensinando e esta foi a sua grande prioridade”, para citando o texto bíblico «Entrai pela porta estreita», apontar o caminho de vida «sem as vaidades deste mundo, mas com a magnidade de ser, no dia a dia, a presença de Jesus Cristo». O padre Alberto Teixeira, que nasceu em Salir (20 de Novembro de 1942) exerceu sempre o múnus pastoral em paróquias do concelho de Olhão — Quelfes e Pechão (1983), Olhão (1990), Fuseta (1990) é Moncarapacho (1993), tendo como caminho e como afirmou: «dar a mão, tal como Jesus, que nunca virou as costas a ninguém, ao meu irmão, pois é essa a missão do sacerdote. Queremos ser gente que pratique a solidariedade com os seus irmãos, pois é preciso ser bom e ter um coração generoso». Aliás o fraterno e solidário amor entre todos – «Amai-vos uns aos outros…» – foi a tónica maior da tocante homília do padre Alberto. A «Oração dos Fiéis» foi pronunciada pela presidente da Junta de Freguesia de Salir, Piedade Carrasquinho. Ao ofertório juntamente com as espécies a consagrar e da bênção papal foram entregues muitas lembranças, oficiais e particulares ao pároco de Moncarapacho e da Fuseta, que no final agradeceu sensibilizado «este louvor ao Senhor». Mais tarde teve lugar um animado convívio, com a actuação de vários e jovens artistas fusetenses e a intervenção de vários oradores que enalteceram o espírito evangélico do padre Alberto Teixeira e a sua generosidade. João Leal