“Estamos num ambiente polémico de grande divergência de posições. Não será viável que a ciência, filosofia e teologia partilhem uma explicação comum [para a evolução da Vida], mas pode haver uma complementaridade e uma capacidade de escuta e por aí estamos à procura” [de um caminho], explica António Martins Alves. O congresso de 5 dias prossegue em Roma, na Universidade Gregoriana, até ao próximo sábado. Ouça aqui as declarações do padre António Martins à Renascença.