Os actos de posse tiveram início com a leitura da provisão de nomeação, seguida da profissão de fé do novo pároco, do juramento de fidelidade à Igreja e serviço à comunidade e renovação das promessas do sacerdote e do gesto de entrega das chaves de cada igreja. O padre Firmino Ferro admitiu que “a mudança custa sempre” mas lembrou que “é habitual os sacerdotes mudarem de paróquia”. “Para o pároco e para os paroquianos é sempre salutar haver mudança no sentido que a mesma rejuvenesce a ambos”, justificou o vigário geral. O padre Firmino Ferro exortou ainda, no âmbito dos deveres e competências do pároco e paroquianos referenciados na provisão de nomeação, os membros das comunidades a estarem “em comunhão com o pároco e uns com os outros”. “É essencial que haja um entrosamento entre o pároco e os paroquianos e vice-versa, para que todos se sintam co-responsáveis”, salientou, lembrando os paroquianos que através do Baptismo cada cristão exerce o “sacerdócio comum dos fiéis”, tendo “obrigação de exercer esse ministério na comunidade” ao invés de pensar que isso é apenas reservado ao pároco e àqueles que lhe estão mais próximos. O vigário geral da diocese algarvia explicou que “o pároco deve anunciar a Palavra de Deus a todos os fiéis e ser diligente na sua formação catequética; não deve descurar a evangelização daqueles que não conhecem ainda a Cristo”. O padre Firmino Ferro lembrou a propósito que também os restantes membros das paróquias devem evangelizar pelo “exemplo de vida e testemunho”, a começar em casa e no trabalho. O representante do Bispo diocesano evidenciou ainda que “o sacerdote deve procurar que a celebração da Eucaristia seja o centro de toda a vida da comunidade cristã”, “tem o dever de se esforçar para que todo o povo de Deus se alimente espiritualmente em contacto com o Deus vivo” e deve visitar as famílias, escolas, adolescentes, e ter uma “predilecção especial pelos pobres e os doentes”, sendo para todos um “sinal do amor de Cristo”. Aos paroquianos, o padre Firmino Ferro pediu que recebam o novo pároco “como seu legítimo pastor e auxiliem-no no bom desempenho da sua missão pastoral e concorram naquilo que for necessário à sua sustentação de modo que possa dedicar-se efectivamente ao serviço evangélico de toda a comunidade cristã” e, por fim, agradeceu o trabalho do anterior pároco. No final das celebrações, o padre Carlos de Matos agradeceu igualmente o trabalho do seu antecessor e garantiu precisar da colaboração dos seus novos paroquianos. Às cerca de 30 pessoas que se deslocaram das suas anteriores paróquias – Luz de Tavira e Santo Estêvão – a Querença, o sacerdote garantiu-lhes que se manterão sempre no seu coração e pedi-lhes que rezem por ele. Próximas posses de párocos nomeados Já no próximo domingo, dia 7 de Setembro, acontecerão as posses do padre Armando Amâncio como pároco de Odiáxere (11 horas) e São Sebastião de Lagos (9 horas). Seguem-se depois, no dia 14 de Setembro, as posses do padre Flávio Martins, como pároco de Vaqueiros (10 horas), Martinlongo (12 horas) e Cachopo (16 horas); do padre Joaquim Correia, também no dia 14 de Setembro, como pároco da Luz de Tavira (10.30 horas) e de Santo Estêvão (12.00 horas); e do padre Dinis Faísca, no dia 21 de Setembro, como pároco de São Tiago e Santa Maria de Tavira.