Esta decisão surge no âmbito do ingresso do pároco daquela comunidade paroquial, o padre Mário de Sousa, na Universidade Gregoriana, a fim de continuar estudos, situação que o impedirá tempora-riamente de exercer o seu múnus pastoral. No documento de nomeação, a que a FOLHA DO DOMINGO teve acesso, o Prelado do Algarve sublinha as "qualidades e disponibilidade" do sacerdote nomeado para exercer mais este múnus.