O sacerdote salientou que os cristãos devem ser “servos uns dos outros”, apelando ao exercício do sacerdócio comum dos fiéis. Construída no século V, a Basílica de Santa Maria Maior, a primeira dedicada a Nossa Senhora, deslumbrou os visitantes do Algarve, pela riqueza dos materiais utilizados na sua construção, característica que se evidenciou na capela onde celebraram os algarvios. Depois do primeiro momento da manhã, o grupo seguiu para as catacumbas de São Calixto, originárias do século II, que se estendem em quatro níveis por cerca de 20 quilómetros de corredores, e que serviram como cemitérios de cristãos durante os primeiros séculos. Estima-se que tenham acolhido a sepultamento de 500 mil cristãos. Os algarvios desceram apenas ao segundo nível, a cerca de 11 metros de profundidade, tendo percorrido as várias galerias, sendo que um dos momentos mais significativos e emotivos da visita aconteceu já no seu final quando se rezou um Pai Nosso em memória dos cristãos ali inumados em sepulturas horizontais escavadas na rocha. Recordou-se a origem do Cristianismo através daqueles que muito sofreram nos primeiros séculos para fazer perdurar a Igreja de Cristo. Muitos dos algarvios não conseguiram conter a emoção. Após o almoço, seguiu-se então a visita à Basílica de São Pedro, no Vaticano. A imponência da arquitectura, assim como dos seus mosaicos que parecem pinturas ou das magnificentes esculturas que alteram a rigidez e frieza da pedra «convertendo-a» noutra matéria-prima, com particular destaque para a incontornável Pietá de Miguel Ângelo. Destaque ainda para a visita aos túmulos de alguns Papas, particularmente o de João Paulo II. Depois de algum tempo livre para compras, alguns dos algarvios visitaram ainda a Basílica de São Pedro in Vincoli, situada a cerca de 200 metros do hotel que acolhe os peregrinos, que contém outra obra famosa do génio escultor: a estátua de Moisés. Tal como já tinha acontecido no dia anterior, na Basílica de São Paulo, com a passagem na porta comemorativa do Ano Paulino que a Igreja assinala até Junho, também na Basílica São Pedro foi possível cruzar outro portal significativo que raramente se encontra aberto: a sua porta principal. Já depois do jantar, a maioria dos algarvios optou ainda por voltar a sair do hotel para visitar Roma à noite, tendo passado junto do Panteão, Fontana di Trevi, Praça Navona, Praça de Espanha, entre outros monumentos, locais e edifícios. Veja as fotos da Peregrinação Diocesana a Roma na Galeria de Imagens