O engenheiro informático destaca ainda alguns dos aspectos inovadores e refere que "a principal novidade é haver um enfoque maior nas paróquias com mais informação automática". No fundo trata-se de "um espaço autónomo, gerido pelas próprias paróquias ao qual terão acesso directo", concretiza, explicando que, "da informação disponível constam os horários das Eucaristias, os responsáveis de cada paróquia ou comunidade ou dos diversos sectores da pastoral", o que permitirá aos utilizadores fazer pesquisas e ter acesso a listagens mediante os seus parâmetros de interesse inseridos na busca. Por exemplo, poderá ser possível pesquisar, das 10 às 12 horas, quais as Eucaristias da vigararia de Faro. Será ainda possível ter acesso à listagem do clero, segundo as datas de ordenação ou de aniversário, entre outras funcionalidades. Há também a possibilidade de as paróquias construirem a sua própria ficha com informações disponíveis ao utilizador, independentemente de terem uma página oficial na Internet. João Rochate salienta que o servidor diocesano "tem muita capacidade para alojar as páginas de todas as paróquias e serviços da diocese do Algarve sem qualquer custo, em vez de serem alojadas em sítios estranhos que depois sufocam os utilizadores com janelas de publicidade". Projecto RIDISC vai ajudar a organizar as paróquias O projecto RIDISC – Rede Informática para Dioceses e Instituições Sócio-Culturais, encabeçado pela diocese do Algarve, mas de que fazem parte ainda as dioceses de Beja, Évora, Santarém e Setúbal, mantém-se em fase de programação do módulo paroquial. Tem havido reuniões com os reponsáveis indicados pelas dioceses para cada uma das áreas, entre as quais Catequese, Sacramentos, Economia, Gestão, entre outras. Dessas reuniões resultou a definição dos campos que irão constar do módulo de software para as paróquias. “Neste momento a sua arquitectura está feita e os programadores estão agora a desenvolver aquilo que as pessoas pensaram”, explica João Rochate. O módulo paroquial permitirá a gestão de toda a paróquia, incluindo a catequese (os grupos, horários, salas, catequistas, etc.), a contabilidade que será quase um “mini-POC – Plano Oficial de Contabilidade” (com rúbricas de débito e crédito, com a possibilidade da emissão recibos, etc.), os sacramentos e serviços (com o assentimento em papel que facilitará a criação do livro de registos), entre outras funcionalidades. João Rochate esclareceu que o “acesso a este software será feito através da Internet, não havendo uma duplicação das base de dados em cada uma das paróquias, por meio de um modo muito mais seguro do que o de um simples Portal”. “Será uma estrutura semelhante à das instituições bancárias”, referiu, acrescentando estar a ser feito “um esforço grande para que em Setembro/Outubro, no início do próximo ano pastoral, seja feito o arranque deste módulo”. Aquele responsável adiantou ainda que “está prevista haver uma formação de lançamento do módulo” aos responsáveis paroquiais, embora sublinhe a simplicidade do sofware. João Rochate frisou, no entanto, a importância das dioceses promoverem formação junto dos párocos “do ponto de vista da informática de base”.~