"Senti-me enriquecido ao partilhar da vossa vida, das vossas preocupações e anseios, da vossa fé. Dou graças a Deus por tudo aquilo que me foi dado viver ao longo desta semana, pelo acolhimento que me dispensaste em todos os lugares onde estive", começou por referir D. Manuel Neto Quintas. O Bispo diocesano explicou mesmo qual foi o seu objectivo. "Procurei ser uma presença de Cristo no meio de vós", complementou. Exortando a comunidade a continuar "a crescer como comunidade cristã", agradeceu àqueles que já colaboram com o pároco e manifestou-lhes a sua "gratidão" pelo serviço que prestam. Ao mesmo tempo exortou outros. "Sabeis que a paróquia é tanto mais viva quanto mais participação houver", considerou, acrescentando: "gostaria que ninguém delegasse no outro a sua quota de participação na vida da comunidade". "Só assim é que construiremos na nossa diocese comunidades vivas, fraternas e constantemente abertas à acção do Espírito para poderem anunciar Cristo ressuscitado", alertou. À paróquia de Silves pediu que continue a insistir nos temas do Programa Pastoral da diocese do Algarve e deixou três apelos. "Rezai pelas vocações, para que surjam em toda a nossa diocese vocações de consagração. Uma comunidade cristã só é verdadeiramente adulta na fé quando é geradora de vocações", salientou D. Manuel Quintas. O segundo apelo relacionou-se com a pastoral familiar. "É importante que as famílias se encontrem para falar das suas alegrias e também dos seus problemas e dificuldades e se estimulem mutuamente para ultrapassarem esses problemas e para que encontrem na Palavra de Deus a força e o apoio", sublinhou, exortando à continuação do grupo de casais. A última interpelação teve a ver com a dimensão sócio-caritativa. "Eu sei que esse é um campo a que já se dá bastante realce aqui na vossa paróquia. Uma comunidade que não vive esta dimensão da caridade não está a ser verdadeira. Sem esta dimensão somos apenas teoria. Ninguém pode delegar noutro o bem que todos temos obrigação de fazer. Mesmo que existam grupos, como aqui o dos Vicentinos, eles não são para substituir a comunidade, mas para alertar a comunidade para as necessidades", advertiu o Bispo diocesano. Na celebração do passado sábado receberam ainda o Sacramento do Crisma 19 adultos. src=/site/parameters/diocese-algarve//files/Paulo_cabrita(1).jpgPAULO CABRITA Membro do Conselho Pastoral Paroquial “As pessoas ficaram bem impressionadas e sentiram-se bem com a presença do senhor Bispo entre eles, até porque ele foi muito comunicativo. Tem havido uma grande mudança e transformação nos vários serviços da paróquia, incluindo o da família. Foi feita uma remodelação pelo nosso pároco que lançou o convite e as famílias têm aderido, tanto na participação, como na discussão dos vários temas que têm sido apresentados com uma dinâmica muito especial em que cada encontro é diferente do anterior. São encontros que têm tido uma grande adesão das famílias. A paróquia tem muitas crianças, mas sente que não tem possibilidade de acolher todas as crianças que necessitam de ser acolhidas. Ao nível da catequese da infância e adolescência foi feita uma grande modificação e já estamos a trabalhar em 3 dias da semana, mas falta-nos espaços físicos para podermos acolher ainda mais crianças. O centro paroquial que existe tem acolhido vários serviços mas precisamos de mais instalações porque têm havido uma grande afluência de crianças e jovens e até mesmo de adultos e o salão paroquial é insuficiente. Este crescimento tem-se notado nos últimos 2/3 anos”.