Ao longo destes dias têm procurado auscultar quais os principais projectos que impelem a diocese algarvia, procurando falar com os responsáveis diocesanos e também com alguns agentes da pastoral e diferentes intervenientes. O jornalista Paulo Rocha, responsável pelo programa televisivo, explicou que a preocupação foi a de “acompanhar o que a Igreja Católica em Portugal vai fazendo”, procurando ter “uma visão sobre todas as dioceses”. Trata-se de um projecto que arrancou em Janeiro e que vai terminar na segunda semana de Junho, tendo passado já pela maior parte das 21 dioceses de Portugal. A ideia, “muito bem recebida desde a primeira hora”, surgiu também “na sequência da Visita ad Limina dos Bispos portugueses ao Vaticano”, explica Paulo Rocha. “Queremos olhar ao que vai acontecendo dia-a-dia nas dioceses e não só ao que possam ser números ou estatísticas que vêm cá para fora e que são aspectos que não reflectem a totalidade do trabalho que é feito”, justifica o jornalista, acrescentando que importa “estar atento àquilo que é característico e que pode ser espontâneo” para, a partir daí, fazer-se a reportagem. Nas dioceses, reconhecem não conseguir chegar a tudo. “Vemos que haveria muitos mais aspectos de reportagem, mas procuramos mostrar algo que seja representativo”, elucida Paulo Rocha, garantindo que “tem sido uma experiência muito positiva”. Concretamente no Algarve, os motivos de reportagem que estão a tentar abordar são as diferenças entre o litoral e a serra, as iniciativas para o turismo e as que se destinam a quem cá está durante o ano inteiro. “Procuramos ver de que forma é que esses dois públicos se vão cruzando quando em causa está a presença da Igreja Católica”, explica Paulo Rocha, garantindo estar a ser feita uma abordagem às paróquias mais junto ao mar, como é o caso de Portimão e o trabalho feito na serra como acontece em Cachopo. “Também para vermos como se encontraram formas de solucionar a organização das comunidades na ausência do presbítero quando este não pode estar a tempo inteiro”, justifica. Por outro lado, o programa Ecclesia tem também procurado indagar as iniciativas, mais a nível central, em Faro, da coordenação da Pastoral da diocese; o trabalho desenvolvido pela Caritas algarvia; as inquietações da Pastoral Juvenil e Vocacional; o impacto da visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima à diocese; o contexto em que surgiu o projecto de informatização da Igreja algarvia e das restantes dioceses do Sul; a preocupação com os meios de comunicação social; a importância do turismo na região e no trabalho da Igreja; entre outros aspectos. “O contexto de um guia/interprete estar no Largo da Sé a desenvolver o seu trabalho com turistas ajudou-me a perceber, junto dele, o impacto e a muita importância que tem o tema religião no turismo do Algarve”, testemunhou, a propósito, Paulo Rocha. O programa sobre a diocese algarvia deverá ir para o ar no dia 3 ou 4 de Junho.