A instituição teve lugar no decorrer da Celebração Eucarística das 18 horas, na igreja paroquial de Nossa Senhora da Conceição (Matriz) de Portimão, comunidade onde o recém-instituído no ministério do leitorado tem vindo a realizar o chamado estágio pastoral, previsto no sexto e último ano da licenciatura de Teologia. Conforme começou por destacar o Bispo diocesano, D. Manuel Quintas, o passado domingo, em que a Igreja celebrou a Solenidade da Epifania, – a manifestação do Senhor a todos os povos, – foi também aproveitado pela diocese algarvia para assinalar o 210º aniversário da abertura do Seminário diocesano, em Faro, para celebrar em "acção de graças pelo dom dos sacerdotes e seminaristas" e "evocar ao Se-nhor para que não faltem servidores". Após a apresentação do então ainda candidato a leitor, o Bispo do Algarve lembrou que o instituído no ministério do leitorado, "vai, em nome da Igreja, proclamar a Palavra como verdadeiro serviço". "Esta Palavra deve produzir efeito naquele que é instituído", recordou D. Manuel Quintas, considerando que "o mesmo serve também para aqueles que prestam esse serviço nas comunidades cristãs, mesmo sem serem instituídos". Reafirmando o que vem no ritual da instituição, o Bispo diocesano salientou que ao leitor é pedido muito mais do que a proclamação da Palavra de Deus. "O leitor será designado para servir, missão que tem a sua raiz na Palavra de Deus", complementou, concretizando: "há–de ler a Palavra de Deus na assembleia litúrgica, educar na fé as crianças e os adultos e prepará-los para receberem dignamente os sa-cramentos e anunciar a Boa Nova da salvação aos homens que ainda não a conhecem". Dirigindo-se directamente ao jovem Flávio Martins disse-lhe o Pastor da diocese: "quando a anunciares aos outros a Palavra de Deus, recebe-a tu também em docilidade ao Espírito Santo". "Recebe o livro da Sagrada Escritura e anuncia fielmente a Palavra de Deus para que ela seja, cada vez mais, viva no coração dos homens. O leitor é alguém que procura vida nessa Palavra, tentando ser sinal dessa Palavra no coração dos outros, através da sua própria vida e do anúncio", apelou o Prelado. "Caro Flávio – interpelou ainda D. Manuel Quintas – procura acolher a Palavra de Deus na tua vida, agora de maneira diferente, como um serviço que vais prestar a toda a nossa Igreja diocesana, e sobretudo, procura que esta Palavra seja luz para ti e para aqueles a quem a anuncias". À assembleia, composta por um número significativo de cristãos de Monte Gordo, a comunidade natal de Flávio Martins, o Bispo diocesano incitou para que continue a "rezar com fé". D. Manuel Quintas motivou os presentes a "pedir ao Senhor da messe que mande trabalhadores para a sua messe" e estimulou ao crescimento no apreço pelas vocações de consagração, nomeadamente a vocação ao mi-nistério ordenado. Por fim, exortou a continuar a rezar pelas vocações e pelo Seminário, "para que sejam instrumentos nas mãos de Deus" e para "que a Igreja diocesana possa ter cada vez mais servidores da Palavra". À FOLHA DO DOMINGO, Flávio Martins, considerou que esta sua instituição "é o início de uma nova caminhada". "É a prova de que o Senhor tem estado comigo ao longo deste tempo todo. Se não fosse graças a Ele, eu hoje não estaria aqui", testemunhou, confessando ter "uma vontade, cada vez maior, de servir a diocese". "Sinto que está a aproximar-se, cada vez mais, o dia de um compromisso maior", concluiu. Depois desta instituição, o segundo passo rumo ao sacerdócio acontecerá com a ordenação diaconal.