A quinta, de 57 hectares, que continua a degradar-se cada vez mais, foi saqueada, vandalizada e queimada, restando uma placa a atestar a intenção, por ocasião da cerimónia de apadrinhamento, ocorrida em 1996, com a presença dos padrinhos “Reais”: D. Duarte de Bragança e D. Isabel. Para o padre Domingos da Costa, o que aconteceu “é um escândalo” e está certo que, na Alemanha, “isto nunca aconteceria porque procurar-se-ia a instituição no local que servisse melhor”. “E a instituição que serve melhor no local é o Centro Paroquial da Mexilhoeira Grande”, justifica.