O chefe do agrupamento, João Coelho, refere que a experiência tem estado a ser “bastante positiva” e adianta que uma das necessidades do agrupamento prende-se com a falta de uma sede de maiores dimensões. No entanto a solução do problema parece estar encaminhada. “Temos um espaço ao lado da nossa sede que já nos foi cedido pela paróquia, mas precisa de obras pois o telhado ruiu parcialmente”, afirma aquele responsável, confessando que a “adesão dos elementos ao agrupamento ultrapassou todas as expectativas”. Também o Bispo do Algarve se referiu na abertura da visita pastoral à importância do agrupamento na paróquia, sublinhando os valores subjacentes ao escutismo.