O Curso de Formação de Animadores está estruturado em 3 módulos: um primeiro, mais introdutório e geral sobre “A Sociedade, a Igreja e a Juventude”; um segundo sobre “A Liturgia, enquanto celebração do mistério para vida”; e um terceiro, mais concreto, sobre “A identidade e a missão do animador juvenil”. Este módulo inicial esteve subdividido em algumas temáticas. Primeiro foi feita uma avaliação da situação sócio-cultural moderna de hoje face à própria religião e os desafios que a própria sociedade e cultura levantam, questionando a Igreja. Partindo das afirmações eclesiológicas do Vaticano II, tentou-se aprofundar as diversas imagens da Igreja na actualidade, sobretudo a partir das vivências da sua própria realidade e foi também feito um estudo sobre a tipologia e religiosidade dos jovens actuais e da sua vivência da fé. O curso terminou com um desafio de “princípios e estratégias” da pastoral juvenil. O padre Carlos de Aquino, orientador da formação, explicou que este foi “apenas um tema introdutório” e que “tudo isto será depois voltado a afirmar e aprofundar, sobretudo no terceiro módulo”. O sacerdote explicou ainda que esta iniciativa pretende também “criar identidade dentro de pequenos núcleos paroquiais”. A formação foi frequentada por 10 participantes, oriundos das paróquias de São Pedro de Faro, de Tavira, de Albufeira e de São Bartolomeu de Messines.