O ponto alto foi a celebração da Eucaristia onde se reuniram, para além da direcção da Caritas Dio-cesana, outros representantes de várias zonas do País. O padre Carlos de Aquino, assistente da Caritas Diocesana do Algarve, que presidiu à celebração lembrou na sua homilia que “a Quaresma é o tempo próprio da conversão mediante a verdade das consciências” e “o tempo da transformação do coração selado pelo dinamismo do amor do Pai”. “A conversão verdadeira é aquela que nos abre o coração à misericórdia, ao perdão das ofensas e à caridade para com todos; a caridade verdadeira é aquela que no dia-a-dia da vida, nos aproxima mais completamente dum viver segundo o Evangelho”, complementou, considerando que “o Dia Cáritas faz-nos tomar consciência de modo mais profundo destes apelos”. O sacerdote frisou que a Caritas “assume, em nome da Igreja, uma missão permanente e irrenunciável: ser expressão e rosto da Igreja pobre e para os pobres dando voz aos valores do Reino e entre os pobres ser a anunciadora feliz da Boa Notícia de Jesus, do seu Evangelho”. “A Caritas não é simplesmente uma Instituição com organização humana, ela é apelo profético à conversão dos crentes para que contemplem nos pobres o rosto de Deus e se comprometam pela sua libertação e pela defesa dos seus direitos e dignidade”, acrescentou, aludindo que “a missão da Caritas é dar sentido à fraternidade universal, ser caminho para uma sociedade mais solidária e justa, para uma sociedade mais livre e humana”. “A missão da Caritas é mediante a fé, ser a construtora da Paz e do amor aprendido no coração de Cristo, o Servo de Deus”, complementou. Ao longo da Semana, decorreu o Peditório de Rua, destinando-se as receitas para o serviço de acção social da Caritas que as aplicará na ajuda a dezenas de casos sociais de dificil resolução e na ajuda a famílias carenciadas que ao longo do ano a procuram. No Algarve, serão aplicadas verbas para pôr em funcionamento o refeitório e balneários sociais, bem como no apoio à Casa da Mãe e ao SOS Vida – Algarve.