Inicio / Noticias / Seminário Diocesano “quase” fechado por falta de candidatos ao sacerdócio

Seminário Diocesano “quase” fechado por falta de candidatos ao sacerdócio

Pese embora esta situação preocupante que certamente terá contribuído para a decisão de atribuir ao Programa Diocesano de Pastoral uma particular atenção às vocações de especial consagração, a diocese algarvia conta com 9 seminaristas a frequentarem o Curso de Teologia do Instituto Superior de Teologia de Évora, 3 dos quais a frequentar o último ano.Contudo, o padre Mário de Sousa, reitor do Seminário Diocesano, interpela as comunidades paroquiais para que «apurem» a sua atenção a este sector da vida diocesana. «É preciso que as pessoas tenham a coragem de seguir a pedagogia de Jesus, chamando as pessoas pelos nomes, estando atentos aos jovens que manifestam alguns sinais de gente vocacionada» – concretiza o sacerdote, acrescentando ser necessário avançar com propostas pessoais para a realização de «experiências de discernimento vocacional». E é precisamente a isso que se propôs Miguel Ângelo, natural de Tavira. Depois de ter feito, há alguns anos, uma experiência naquela instituição de formação e tendo presentemente o 12º ano de escolaridade concluído, o jovem tavirense irá agora, ao longo do presente ano pastoral, frequentar, o chamado ano propedêutico, também designado como “ano zero”, para tentar discernir se é realmente para a vocação ao sacerdócio que se sente chamado. Entretanto, a nova equipa formadora do seminário, nomeada pelo Bispo diocesano a 6 e 14 de Julho passado, vai, segundo o padre Mário de Sousa, ao longo do ano, «acompanhar os seminaristas que estão em estágio, bem como o jovem que vai fazer o “ano zero”», mas «sobretudo coordenar a sensibilização vocacional e o pré-seminário».Para além do padre Mário de Sousa, a equipa formadora do seminário diocesano integra ainda o padre Manuel Oliveira Rodrigues, como Director Espiritual, e o padre Rui Guerreiro, como Prefeito.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …