Este é um tempo próprio, real, concreto e directo, para sermos capazes de responder, crendo e confiando na Misericórdia Divina, ao grande desafio que o Senhor coloca à Igreja em todo o Mundo (pensemos na Missão "Ad Gentes"), mas com uma pertinente acuidade nesta Terra de Santa Maria. No passado, a quando da "Gesta dos Descobrimentos" foi Terra Missionária e hoje, como em anos futuros que se avizinham, Terra de Missão. Curioso, nestas "coincidências", denominemo-las as sim, o nosso Pastor e Bispo diocesano é um Missionário e Presidente da Pastoral das Missões na Conferência Episcopal Portuguesa. Mas a esperança vive no peito e na alma, que é sacrário de cada cristão algarvio, vivendo com manifesta alegria a jornada que vai acontecer na Igreja Paroquial de São Pedro, em Faro, com a instituição nos graus de Leitor e de Diácono de dois jovens algarvios, em passos certos, seguros, determinados e iluminados pelo Espírito Santo rumo à Ordenação Sacerdotal que, pedimos e confiamos em Deus, aconteçam nos tempos previstos. Dois trabalhadores para a messe do Pai, tão carente de operários e com tantos outros a carregarem com o peso dos anos e dos sacrifícios de vidas plenamente dedicados às suas tarefas a prosseguirem a sua missão servindo Deus e os homens.

Que o Senhor a todos nós nos ilumine, mas com uma presença e um chamamento muito próprios aqueles a quem disse ou vier a dizer: "Vem…Faz-te ao largo!".