O prior de Vila do Bispo, que falava na homenagem ao padre Manuel Madeira Clemente, antigo pároco local, aludiu, no contexto da advertência que deixou para a necessidade de valorização e preservação do património, para a importância da igreja matriz. “Esta igreja é importantíssima, mas só o será enquanto tiver telhado e paredes. E todos aqueles que lá vão semanalmente rezam para que o tecto não caia. É um problema que está presente e que, de há dois anos a esta parte, tem sido uma das minhas lutas pessoais e da Igreja, para tentar que não venha a baixo. Podemos pensar que isso está longe, mas acho que não está tão longe quanto isso. Se nos tocar a infelicidade daquele tecto cair enquanto estivermos lá, há muita gente que vai sofrer”, afirmou o sacerdote. Perante estas palavras, Sousa Cintra, que disse ter ficado “muito sensibilizado”, interrompeu mais tarde o pároco para garantir que o “ex-libris do concelho” será restaurado com o seu financiamento. “O senhor padre pode pedir os orçamentos que eu pago todo o arranjo do telhado da igreja de Vila do Bispo”, afirmou, recebendo uma calorosa salva de palmas das dezenas de pessoas presentes. Surpreendido com a oferta, o padre Joel Teixeira pôs o empresário à vontade para reconsiderar uma vez que a quantia já orçamentada ascendia aos 300 mil euros, ao que Sousa Cintra respondeu com a confirmação de não voltar com a palavra atrás. “Fico à espera dessa contribuição e agradeço em nome pessoal e da paróquia. Para mim não consigo pedir, mas para a Igreja peço com toda a alegria”, afirmou o sacerdote, manifestando o seu contentamento e reconhecendo a ajuda já prestada em 2007, aquando da recuperação da igreja da Raposeira. Recorde-se que Sousa Cintra foi um dos colaboradores que na altura custearam os trabalhos que ascenderam aos 120 mil euros, tendo a obra sido comparticipada em 70 por cento pelo IPPAR – Instituto Português do Património Arquitectónico e em 10 por cento pela Câmara de Vila do Bispo. Mais fotos na Galeria de Imagens