Para explicitar melhor a sua escolha, o novo Bispo, que ainda antes de o ser, já havia sido nomeado por Bento XVI membro da Pontifícia Congregação para a Evangelização dos Povos, esclarece que “a amendoeira é uma das poucas árvores que floresce em pleno Inverno. Jeremias, em vez de ver a catástrofe ou a crise, tem os olhos postos na flor da esperança”. Assim, D. António Couto pretende que o seu serviço episcopal não evidencie “o lado do pessimismo, mas o lado positivo”, levando os cristãos “a verem o belo e o bom”. Esta feliz e inovadora escolha de lema episcopal deve ser para todos nós um sinal e um incentivo a prestarmos maior atenção aos aspectos positivos da vida, a cultivarmos uma visão optimista da realidade, para vermos para além do imediato e não mergulharmos num pessimismo deprimente e depressivo, que a nada conduz, nada cria e nada resolve. É evidente que, para que tal possa acontecer, torna-se necessária uma espiritualidade fecunda, ancorada no estudo orante da Palavra de Deus, que possibilite uma leitura dos acontecimentos do mundo numa perspectiva mais ampla e esperançosa. Nesse sentido vai também a comunicação do Papa Bento XVI aos Bispos ordenados no último ano e que estiveram reunidos em Roma em jornadas de estudo. Aos novos Bispos, o Santo Padre, depois de recordar que “a escuta na oração e o anúncio das coisas ouvidas devem ser a primeira sobre as muitas coisas que se devem fazer”, recomendou que “nas cidades em que viveis e trabalhais, frequentemente convulsas e ruidosas, onde o homem corre e se perde, onde se vive como se Deus não existisse, sabei criar lugares e ocasiões de oração, onde o silêncio, escuta de Deus mediante a “lectio divina”, na oração pessoal e comunitária, o homem possa encontrar a Deus e ter a experiência viva de Jesus Cristo que revela o autêntico rosto do Pai”. Especial espaço e ocasião de oração, justamente proposto pelo nosso Bispo, vai ser, dentro em breve no Algarve, a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, que será recebida solenemente nas ruas da cidade de Faro na noite de 13 de Outubro, data em que se cumprem noventa anos sobre a última aparição da Cova da Iria. Depois, durante dois anos, a veneranda imagem da Senhora de Fátima, visitará demoradamente todas as Paróquias e Comunidades cristãs do Algarve. Para que tal acontecimento possa ser marcante e fecundo na vida dos algarvios, a nossa Diocese preparou várias catequeses bíblicas e marianas, destinadas a prepararem a visita da imagem e a prolongarem depois a sua passagem. Muitas vezes ouvimos queixas e lamentos sobre a inexistência de subsídios catequéticos para adultos. Apesar de haver muito mais do que aquilo que possamos imaginar – nós é que muitas vezes não procuramos devidamente – vamos dispor agora deste verdadeiro manancial catequético, que permitirá aos grupos de adultos das nossas Paróquias, constituídos e a constituir, aprofundarem a fé e iluminarem a vida à luz da Palavra de Deus, para poderem, também eles, ver “um ramo de amendoeira”, onde aparentemente só há árvores ressequidas.