Esta semana de encontro com D. Manuel Neto Quintas serviu para a comunidade se sentir interpelada a dar resposta a alguns apelos que vive neste momento, de tal forma que pensa mesmo avançar com a criação de uma IPSS – Instituição Particular de Solidariedade Social, embora as valências ainda não estejam bem definidas. O pároco, padre Carlos de Aquino, explicou que o Bispo diocesano "tomou consciência" de uma realidade "enorme". "A pobreza, a velhice e mesmo a deficiência, para além dos jovens e crianças que precisam de apoio afectivo no contexto de famílias mais estruturadas que não têm", foram os principais aspectos sublinhados pelo sacerdote que considera que "este é um mundo onde a paróquia deve investir muito". "Temos alguma estrutura, mas é preciso criarmos uma outra, não só física, mas humana, para fazer face a estes problemas enormes. Temos um grupo de voluntários, mas gostaríamos de criar também uma estrutura que vá pelo caminho da IPSS ou outro, mas que garanta que este trabalho seja mais estruturado e organizado como presença da Igreja. Não é criarmos um Centro Social ou um Lar ou uma Creche ou outra estrutura só por criar, mas criá-la num dinamismo de fé, sentindo as necessidades urgentes que há na paróquia", referiu, lembrando que "as instituições que existem estão todas lotadas". O pároco de Silves reconhece o trabalho que já existia neste sector da pastoral paroquial, mas considera que o mesmo está agora "mais dinamizado", embora defenda que ainda há muito a fazer. "Temos no Centro Paroquial todas as salas a funcionar com um gabinete de atendimento, outro de atendimento psicológico feito por uma psicóloga da comunidade que é também catequista e professora de EMRC, o grupo dos vicentinos, salas para distribuição de alimentação e sala de enfermagem, para além de salas de catequese", elucida. O prior constata ainda que "a cidade de Silves não tem uma rede social estruturada". "Há vários organismos, mas cada um está a fazer o que lhe compete à sua maneira", refere. Para a instalação da futura instituição de solidariedade social, o pároco não se mostra, para já, apoiante da construção de uma nova estrutura de raiz, mas antes defende a reorganização dos espaços já existentes. "Não temos instalações já todas preparadas, mas temos uma estrutura no Poço Barreto que pode dar algum apoio a uma acção deste tipo e temos o Centro Paroquial que pode ser valorizado e ampliado e há possibilidade de termos outros espaços", salienta. A presença no Estabelecimento Prisional de Silves é outra preocupação do pároco que confirma já ter havido "alguma insistência da directora" e da própria comunidade de 70 reclusos. "Há uma presença evangélica, mas todos eles pedem muito a presença da Igreja católica e do padre", comenta o padre Carlos de Aquino, confirmando que "agora com a visita pastoral houve um estímulo muito maior no sentido de a Igreja ter ali uma presença mais efectiva e estruturada". A pastoral profética Segundo o pároco de Silves, outros dos apelos desta visita pastoral foi o de continuar o trabalho realizado na dimensão familiar com um grupo de cerca de 30 famílias que costumam reunir-se mensalmente para um aprofundamento da própria fé e reflexão comum dos problemas da cidade e da paróquia. Embora a dimensão sócio-caritativa seja a de maior evidência na paróquia de Silves, o sector profético, sobretudo na catequese, também tem certa expressão. A julgar pelo testemunho do próprio pároco e de alguns paroquianos, aumentaram nos últimos anos os grupos de catequese e os catequistas, a participação das crianças e dos pais e a frequência à própria catequese de adultos. "Tem havido uma grande aposta na pastoral familiar, mas queremos continuar a estruturar os grupos de catequese de acordo com o Plano Pastoral Diocesano", refere o padre Carlos de Aquino, sublinhando a intenção de "criar na cidade, e nos vários lugares, pequenos grupos de catequese com os seus animadores". "Foi um trabalho que já deu algum fruto em anos atrás e por isso surgiu, quer na Estação, quer no Enxerim, duas grandes expressões comunitárias", justifica. Ao nível da juventude o pároco garante existir "um grupo bom de jovens". "Em 2005 foram crismados 23 jovens e destes 13 estão integrados na comunidade, para além do grupo significativo que está a preparar-se para receber o Sacramento", sublinha o prior. Para o padre Carlos de Aquino há ainda um desafio que se manter desde a anterior visita pastoral realizada há 9 anos: "maior generosidade da parte dos leigos para assumirem determinadas tarefas dentro da comunidade". "Temos um grupo significativo de leigos empenhados e generosos, mas sentimos, diante destes desafios que estão a aumentar, a necessidade de haver mais gente na paróquia, até porque notei quando cheguei que um grupo muito restrito possuía a dimensão de tudo", frisa o sacerdote. Alunos do Piaget poderão ter espaço de aprofundamento da fé O padre Carlos de Aquino revelou que da visita pastoral a Silves surgiu também a possibilidade da criação de uma espaço mensal para o aprofundamento da fé no Instituto Universitário Jean Piaget, por forma a garantir o acompanhamento espiritual aos estudantes que assim o pretendam. O sacerdote garantiu que existe uma “relação muito positiva” com a comunidade universitária que se tem traduzido na realização de algumas iniciativas como a bênção dos finalistas, a Eucaristia de abertura do ano académico, entre outras actividades. Novos espaços de culto no Enxerim e na Estação Os sítios do Enxerim e da Estação, os dois principais núcleos comunitários da paróquia de Silves, irão ter no futuro locais de culto, tendo em vista o crescimento que têm tido nos últimos anos. A paróquia projecta construir no Enxerim uma capela em terreno da Câmara Municipal de Silves e na Estação está neste momento a tratar-se da aquisição de um terreno, onde se possa construir também um edifício para o culto da comunidade local. Segundo o padre Carlos de Aquino a opção justifica-se porque, segundo os indicadores autárquicos, "estes dois lugares são aqueles que vão crescer mais no futuro". Também o Bispo do Algarve na Eucaristia de encerramento da visita pastoral dirigiu uma palavra à comunidade paroquial pedindo aos paroquianos que acarinhassem os dois projectos do Enxerim e da Estação. Actualmente é celebrada a Eucaristia uma vez por mês nos dois sítios. No Enxerim, a celebração é realizada na Escola e na Estação num salão cedido por um particular. src=/site/parameters/diocese-algarve//files/Padre_carlos_aquino1.jpgPe. Carlos de Aquino um algarvio ao serviço do Algarve Natural de Vila Real de Santo António, o padre Carlos de Aquino, de 37 anos, estudou no Seminário de São José, em Faro e no Seminário Maior de Évora e foi ordenado sacerdote a 29 de Junho de 1993 por D. Manuel Madureira Dias na Sé Catedral de Faro. Já sacerdote esteve um ano como prefeito no Seminário de Faro, tendo assumido depois, juntamente com o padre Joaquim Nunes, a paróquia de Quelfes. De seguida esteve dois anos em Alcantarilha e Pêra e seguiu para o concelho de Aljezur, onde foi pároco da Carrapateira até Odeceixe. Estudou dois anos em Roma para fazer a especialização em liturgia e regressou ao Algarve e a Quelfes onde esteve um ano como pároco. Antes de Silves foi três anos responsável pelas paróquias da então Unidade Pastoral do Nordeste Algarvio (Cachopo, Martilongo, e Vaqueiros). Em Silves está desde 4 de Setembro de 2005.