Desta feita e honrando o Excelso Esposo da Virgem Maria e a Mãe de Jesus e dos Homens ali decorreu o «XI Encontro de Caboverdianos Residentes no Algarve» que congregou, ao bater de um só coração e na vivência de uma só Fé, centenas não apenas de caboverdianos, mas também de seus irmãos de Portugal, Guiné -Bissau, Angola e Moçambique que quiseram na vivência de uma liturgia autêntica e contagiante com todo o sentir de africanidade honrar, no abraço solidário e fraterno e na partilha cristã e humana Deus Criador e seu Filho Cristo Redentor. Presidiu a esta jornada tão de acordo com o espírito e a vivência evangélicas o Padre Carlos Alberto César Morais Chantre, dedicado Pároco de Ferreiras, Boliqueime e Paderne, ele mesmo nascido nas terras de Cabo Verde («Se não fosse Portugal, um país rico em termos de cultura e de princípios espirituais, nós não teríamos conhecido Jesus Cristo», afirmou) e o grande dinamizador destes Encontros, cuja edição primeira, como disse «aconteceu há 11 anos em Loulé e tudo começou como por uma brincadeira». Quanto a nós, que pela vez primeira vivemos este dia, foi então «o grão de mostrada lançado à terra». Segundo o Cônsul de Cabo Verde no Algarve, com sede em Portimão, José Afonso Duarte, há 49 anos radicado nesta Diocese, também um dos grandes apoiantes do Encontro, são entre os 10 e os 15 mil os caboverdianos que fazem parte deste povo de Deus residente na nossa Região. Entre as entidades presentes um destaque para o Governador Civil do Distrito, dr. António Pina; escritor o­nésimo Silveira, Embaixador de Cabo Verde em Portugal; Desidério Silva, Presidente da Câmara Municipal de Albufeira e o Capitão Dr. António Matias (Comandante do Destacamento da GNR). Uma forte presença de estudantes dos países de lusófonos que frequentam várias universidades portuguesas, bem como o Grupo Musical Jovens Católicos Cabo verdianos de Lisboa (JCCL) dirigido por José Sancho e a expressiva cantora Titina, que com uma rara sensibilidade interpretativa entoou diversas mornas e hinos, foram notas em evidência nesta celebração eucarística em que o Mistério do Amor mais uma vez aconteceu. Na homilia o Padre César Chantre, com aquele sentido de comunicabilidade e de evangelização que lhe são peculiares, referiu-se aos «gestos e símbolos que servem para a nossa reflexão pessoal e familiar e tudo isto deve ser observado como um hino de acção de graças ao Criador, o que por vezes não é permitido pelo nosso orgulho intelectual», afirmando também «A África ainda não perdeu a sua riqueza profunda que são a expressão musical e a expressão gestual». Como tema de marcante actualidade o Celebrante focou a figura do novo Papa para dizer que «a Europa aprenda que a eleição de Bento XVI tem muito a ver com a necessária renovação espiritual, como o atesta o próprio nome escolhido de São Bento, Padroeiro da Europa, para que esta reencontre a sua espiritualidade. Ele vai ser um Grande Papa». E dirigindo-se aos jovens disse o Padre César Chantre: «Estudantes não tenham medo de Cristo, como dizia João Paulo II. Recuperai urgentemente as vossas raízes culturais, proclamando Cristo e perdoando a todos os que não vos compreendem». Destacou nos seus agradecimentos o Município de Albufeira, a Casa Pia de Lisboa e a Junta de Freguesia de São Clemente / Loulé. De grande simbolismo o Ofertório com vários produtos de Cabo Verde e a Consagração a Nossa Senhora e a São José, bem como a homenagem a todas as Mães, com a oferta de uma flor a cada uma das presentes. Após a Celebração Eucarística teve lugar um animado, fraterno e participado almoço de convívio a que se seguiu uma alegre tarde de convívio. Evangelho verdadeiro de amor foi este XI Encontro de Caboverdianos Residentes no Algarve que decorreu na Comunidade Paroquial de São José nas Ferreiras.